Meu amigo Silvio Teitelbaum colocou no Facebook dele a cena final de Blade Runner.

Aqui está o diálogo final entre o Replicante Roy (Rutger Hauer) e o Policial Deckard(Harrison Ford), em uma das mais lindas e inesquecíveis cenas da história do cinema:

Roy: Uma experiência e tanto viver com medo, não é? Isso é o que é ser um escravo.
[Deckard cospe em Roy enquanto cai; Roy o pega com uma mão.]
Roy: Eu vi coisas que vocês não acreditariam. Ataque de navios em chamas no flanco de Orion. Eu assisti Armas de Césio brilharem na escuridão no Portal de Tannhäuser. Todos esses momentos serão perdidos no tempo como lágrimas na chuva. Hora de morrer.
[O pássaro voa …]
Deckard: Eu não sei por que ele salvou minha vida. Talvez nesses últimos momentos ele amasse a vida mais do que nunca antes. Não apenas sua vida, a vida de qualquer um, minha vida. Tudo que ele queria eram as mesmas respostas que o resto de nós queríamos. De onde eu vim? Para onde vou? Quanto tempo tenho? Tudo que eu podia fazer era sentar lá e vê-lo morrer.

 

My friend Silvio Teitelbaum put in his Facebook the final scene of BLADE RUNNER.

Here is the final dialogue between the replicant Roy(Rutger Hauer) and the policeman Deckard(Harrison Ford), in one of the most beautiful and unforgettable scenes of movie history:

Roy: Quite an experience to live in fear, isn’t it? That’s what it is to be a slave.
[Deckard spits at Roy as he falls; Roy catches him with one hand.]
Roy: I’ve seen things you people wouldn’t believe. Attack ships on fire off the shoulder of Orion. I watched C-beams glitter in the darkness at Tannhäuser Gate. All those moments will be lost in time like tears in rain. Time to die.
[Bird flies off…]
Deckard : I don’t know why he saved my life. Maybe in those last moments he loved life more than he ever had before. Not just his life, anybody’s life, my life. All he’d wanted were the same answers the rest of us want. Where did I come from? Where am I going? How long have I got? All I could do was sit there and watch him die.