CHARLTON HESTON: De MOISÉS a BEN-HUR, um Ator de Filmes Inesquecíveis (e outros nem tanto)

Li que o diretor Roland Emmerich está concluindo um novo filme sobre a Batalha de Midway, uma das mais importantes e sangrentas da Segunda Guerra Mundial, considerada um ponto chave na retomada do Pacífico pelos aliados.

Lembrei que em 1976, houve um filme chamado A BATALHA DE MIDWAY, dirigido por Jack Smight e protagonizado por Charlton Heston. Era bem ruinzinho, calcado muito na tecnologia SENSURROUND que dotava as salas de cinema de alto falantes especiais (tipo grandes subwoofers) para transmitir uma sensação de realidade nas batalhas. Curiosamente, o primeiro filme com este sistema que eu vi foi TERREMOTO, de Mark Robson, outro filme desastre muito fraco, igualmente estrelado por Charlton Heston.

Quem vê estes dois filmes de Heston, pode ter a ideia errada sobre a importância dele no cinema das décadas de 60 e 70. Este ator americano nascido no estado de Illinois em 1924 era um dos principais nomes do cinema baseado no chamado star system. Fez mais de 120 filmes e ganhou dois Oscars (seu papel mais relevante em BEN-HUR, de William Wyler e um prêmio humanitário Jean Hersholt.

Além do citado BEN-HUR, Heston foi protagonista em clássicos como OS DEZ MANDAMENTOS, O PLANETA DOS MACACOS, DA TERRA NASCEM OS HOMENS, A MARCA DA MALDADE, AGONIA E ÊXTASE e JULIO CESAR. Pensar em ator naquelas décadas obrigatoriamente levava a cogitar o neme de Charlton Heston.

Claro que depois, já encaminhando sua carreira para um ocaso, fez alguns filmes ruins, quando passou a ser figurinha carimbada em filmes desastre (gênero em moda na época) como os já citados TERREMOTO e A BATALHA DE MIDWAY, VÔO 502 EM PERIGO, AEROPORTO 75 (uma inacreditável história em que depois de um acidente ele entra por um buraco na fuselagem do avião para salvar os passageiros) e PÂNICO NA MULTIDÃO.

Mais tarde ainda, esteve em todos os noticiários ao ser contratado para representar a associação de vendedores de armas americana, o que lhe rendeu muitas polêmicas. Heston morreu em 2008, aos 84 anos.

Sua imagem como Moisés (OS DEZ MANDAMENTOS), BEN-HUR (a cena da corrida de bigas é antológica), a luta a socos com Gregory Peck em DA TERRA NASCEM OS HOMENS, ou a cena final de O PLANETA DOS MACACOS são momentos cinematográficos inesquecíveis que imortalizaram seu nome no coração e na memória de qualquer cinéfilo.

I read that director Roland Emmerich is concluding a new movie about the Battle of Midway, one of the most important and bloody of World War II, considered a key point in the Allies’ resumption of the Pacific.


I remembered that in 1976, there was a movie called MIDWAY, directed by Jack Smight and starring Charlton Heston. It was very bad movie, heavily based on SENSURROUND technology that provided movie theaters with special speakers (such as large subwoofers) to convey a sense of reality in battles. Interestingly, the first movie with this system I saw was Mark Robson‘s EARTHQUAKE, another very weak disaster movie, also starring Charlton Heston.

Anyone who sees these two Heston movies may have the misconception about his importance in 1960s and 1970s cinema. This American actor born in the state of Illinois in 1924 was one of the leading names in the so-called star system. He has made over 120 films and won two Oscars (his most prominent role in William Wyler‘s BEN-HUR and a Jean Hersholt humanitarian award.

In addition to the aforementioned BEN-HUR, Heston was a protagonist in such classics as The Ten Commandments, PLANET OF THE APES, THE BIG COUNTRY, TOUCH OF EVIL, Agony and Ecstasy and JULIUS CAESAR. Thinking about an actor in those decades necessarily led to the thought of Charlton Heston’s name.

Of course afterwards, already heading his career to a sunset, he made some bad films, when he became a stamped person in disaster films (genre in fashion at the time) such as the already mentioned EARTHQUAKE and MIDWAY, FLIGHT 502, AIRPORT 75 (an unbelievable story in which after an accident he enters through a hole in the plane’s fuselage to save passengers) and TWO MINUTE WARNING.

Later, he was on all the news when he was hired to represent the American Arms Dealers Association, which earned him much controversy. Heston died in 2008 at the age of 84.

His image as Moses (The Ten Commandments), BEN-HUR (the chariot race scene is anthological), the punch fight with Gregory Peck in THE BIG COUNTRY, or the final scene of THE PLANET OF THE APES are unforgettable cinematic moments that have immortalized his name in the heart and memory of any movie lover.

One Reply to “CHARLTON HESTON: De MOISÉS a BEN-HUR, um Ator de Filmes Inesquecíveis (e outros nem tanto)”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s