O ENCANTO DOS MUSICAIS

O CONVIDADO DE HOJE DO CINEMARCO É ISAAC MENDA.

Claire Mary Teresa Rawstron. Acredito que ninguém sabe quem é. Esse é o verdadeiro nome da soprano Kiri Te Kanawa. E por qual razão estou falando de uma soprano num blog sobre cinema?

Ela gravou dois discos de musicais da Broadway e que se transformaram em filmes premiadíssimos: West Side Story e My Fair Lady.

Nos anos 80 ela se apresentou, junto com Jerome Irons, no Royal Albert Hall, em Londres, numa audição especial do musical My Fair Lady. Recomendo a todos. Está no Youtube.

Também gravou um disco, junto com José Carreras com músicas de West Side Story, com regência do próprio compositor, Leonard Bernstein.

Ambos musicais foram levados dos palcos da Broadway para o cinema, ganhando diversos Oscars.

West Side Story foi uma ideia de Bernstein transportando a história do clássico Romeu e Julieta para as ruas de New York, mais precisamente no West Side, onde duas gangues de jovens americanos e porto-riquenhos disputam espaço. Em 1961 foi transformado em filme, ganhando 10 Oscars.  

Esse é um dos filmes que mais vezes assisti. Fiquei fascinado pelas músicas, coreografia e pela história. O início do filme exibe apenas riscos na tela com mudança de cores e uma suíte das músicas. Vai num crescendo até transformar os riscos nos arranha-céus do sul da ilha de New York sem o World Trade Center, pois ainda não existia. Os créditos, no final, de Saul Bass, também são espetaculares.

Estava programada a estreia para dezembro de 2020 a nova versão de West Side Story, com a direção de Steven Spielberg, se aventurando pela primeira vez num filme musical. Aliás, Spielberg, no segundo filme de Indiana Jones, exibiu na abertura da película a música Anything Goes de Cole Porter, com dança e canto. Quando eu assisti pela primeira vez pensei que ele seria um bom diretor de musical. Se a pandemia deixar teremos o filme nesse final de ano. Vamos esperar!

Quanto à My Fair Lady conheci a história nos anos 60 do século passado, quando, num tremendo esforço, o extinto Teatro Leopoldina trouxe o musical para Porto Alegre com Bibi Ferreira e Paulo Autran e uma dezenas de atores, cantores e dançarinos. Fiquei maravilhado com os cenários Que mudavam numa rapidez, transformando o interior de uma casa numa rua. Como meu pai trabalhava com assuntos de teatro, nós tínhamos cortesias para assistir qualquer espetáculo. Assim, eu vi mais de trinta vezes o musical.

Assisti nos anos 70, na Broadway, o remake desse musical tendo como ator principal Richard Chamberlain. Para os mais antigos ele era o Dr. Kildare na série televisiva. Fiquei decepcionado, pois esperava os mesmos efeitos de cenários e o musical transcorreu num cenário único com um pano de fundo exibindo uma grande lâmpada.

No cinema, o filme ganhou seis Oscars em 1965, tendo como atriz principal Audrey Hepburn e Rex Harrisson. Uma curiosidade. Quem fazia o papel principal desse musical no original da Broadway era Julie Andrews. Ela havia sido convidada para fazer o filme, porém os estúdios da Disney se anteciparam e a convidaram para estrelar Mary Poppins, ganhando o Oscar de melhor atriz naquele ano.

Hollywood não produz mais musicais como antigamente e que abrilhantavam todas as apresentações dos Oscars. Espero que o novo filme de Spielberg de West Side Story nos remeta para os anos de glória dos musicais.

TODAY’S GUEST TO CINEMARK ISAAC MENDA.

Claire Mary Teresa Rawstron. I believe that nobody knows who it is. This is the real name of soprano Kiri Te Kanawa. And why am I talking about a soprano on a cinema blog?

She recorded two Broadway musical records that turned into award-winning films: West Side Story and My Fair Lady.

In the 1980s she performed, along with Jerome Irons, at the Royal Albert Hall in London, at a special audition for the musical My Fair Lady. I recommend it to everyone. It’s on YouTube.

He also recorded an album, along with José Carreras with songs from West Side Story, conducted by the composer, Leonard Bernstein.

Both musicals were taken from the stage of Broadway to the cinema, winning several Oscars.

West Side Story was an idea by Bernstein taking the history of the classic Romeo and Juliet to the streets of New York, more precisely on the West Side, where two gangs of young Americans and Puerto Ricans vie for space. In 1961 it was made into a film, winning 10 Oscars.

This is one of the films I have watched most often. I was fascinated by the music, choreography and history. The beginning of the film shows only scratches on the screen with color changes and a suite of songs. It is growing to transform risks in skyscrapers in the south of New York Island without the World Trade Center, as it did not yet exist. In the end, Saul Bass‘ credits are also spectacular.

The new version of West Side Story was scheduled for December 2020, with the direction of Steven Spielberg, venturing for the first time in a musical film. In fact, Spielberg, in the second Indiana Jones film, showed Cole Porter‘s song Anything Goes at the opening of the film, with dance and singing. When I first watched it I thought he would be a good musical director. If the pandemic leaves we will have the film at the end of the year. Let’s wait!

As for My Fair Lady, I got to know the story in the 60s of the last century, when, in a tremendous effort, the defunct Teatro Leopoldina brought the musical to Porto Alegre with Bibi Ferreira and Paulo Autran and dozens of actors, singers and dancers. I was amazed by the scenarios that changed quickly, transforming the interior of a house into a street. As my father worked in theater matters, we had courtesies to attend any show. So, I saw the musical more than thirty times.

I watched in the 70s, on Broadway, the remake of this musical with the main actor Richard Chamberlain. For the oldest, he was Dr. Kildare in the television series. I was disappointed, because I expected the same effects of scenarios and the musical took place in a unique scenario with a backdrop showing a large lamp.

In cinema, the film won six Oscars in 1965, with the main actress Audrey Hepburn and Rex Harrisson. A curiosity. Who played the main role of this musical in the Broadway original was Julie Andrews. She had been invited to make the film, but Disney studios got ahead and invited her to star in Mary Poppins, winning the Oscar for best actress that year.

Hollywood no longer produces musicals as it used to, which brightened all Oscars performances. I hope that Spielberg’s new film from West Side Story takes us back to the musical glory years.

2 Replies to “O ENCANTO DOS MUSICAIS”

  1. Faltou o “Rei dos Reis” : Singing in the Rain. Creio que eu sou capaz de dancar tantas vezes vi este filme . Pra mim e a perfeicao, a musica . Usa as 7 notasa que nos conhecemos tao bem e faz essa genialidade. A coreografia, em cima. O “My Fair Lady: do Leopoldina tambem assisti, um primor. Assisti na Broadway, “Cats”, e gostei muito. E mais recentemente o enorme sucesso do momento” Hamilton”, pena que meu ingles nao me deixou espaco para entender, mas o contexto e muito bom. Recomendo. Vai ficar muitos anos em cartaz. Musicais e como o radio, sempre tem espaco para eles.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.