VINGADORES: ULTIMATO – O FINAL É APENAS UMA PARTE DA JORNADA

VINGADORES: ULTIMATO, dirigido pelos irmãos Anthony e Joe Russo é um final excelente para a franquia que gerou vinte e dois filmes, quase todos com imenso sucesso.

Depois do incrível êxito de VINGADORES: GUERRA INFINITA, tinha ficado muito difícil achar um final adequado para a saga, devido à morte da maioria dos heróis no final do filme anterior. Muito se tinha falado na hipótese da viagem no tempo, mas isto somente acentuava o desafio de manter a criatividade ímpar da série até então.

Há que se dizer que o filme atual é extremamente criativo, inteligente em todas as situações que cria e que, inclusive, reserva um twist de roteiro para derrubar as visões de que seria previsível.

THANOS (Josh Brolin) segue sendo um vilão antológico, daqueles a ser lembrado por muitas e muitas décadas. Quando ele declara aos mocinhos que agora a batalha virou pessoal para ele, sai da frente.

Aliás batalha final deste último capítulo é realmente espetacular, superando todos os riscos de ficar o filme baseado demais em efeitos especiais e explosões. Não que falte isto, mas é feito dentro uma batalha tão épica que oscila entre empolgante (o público se levante e aplaude quando ela inicia) e emocionante (“Ela não está sozinha.”)

Claro que Robert Downey Jr., Gwyneth Paltrow, Scarlett Johansson e Jeremy Renner são os maiores destaques do filme. Mas são tantos heróis e assuntos que é quase impossível traçar uma preferência.

O maior ponto positivo do filme, surpreendentemente é seu roteiro, onde temas caros ao cinema, como lealdade, capacidade de sacrifício, amizade, amor e família são desafiados e questionados a cada cena. O roteiro se sai maravilhosamente bem em todas as ideias que traça para um final de saga memorável.

Em determinada cena, o Homem de Ferro diz: “O final é apenas uma etapa da jornada.” Este VINGADORES: ULTIMATO é um excepcional final para uma saga inesquecível para os fãs da Marvel e do cinema.

AVENGERS: ENDGAME directed by brothers Anthony and Joe Russo is an excellent ending to the franchise that has generated twenty-two films, almost all with great success.

After the incredible success of AVENGERS: INFINITE WAR, it had been very difficult to find an adequate end to the saga, due to the death of most of the heroes at the end of the previous film. Much had been said about the time travel hypothesis, but this only heightened the challenge of maintaining the series’ unique creativity until then.

It must be said that the current film is extremely creative, intelligent in every situation it creates and even reserves a twist of script to overturn the visions that would be predictable.

THANOS (Josh Brolin) remains an anthological villain, of those to be remembered for many, many decades. When he tells the good guys that the battle has now become personal to him, it is very amazing.

In fact the final battle of this last chapter is really spectacular, overcoming all the risks of getting the film based too much on special effects and explosions. Not that this is missing, but it’s done inside an epic battle that swings between exciting (the audience stands up and applauds when it starts) and exciting (“She’s not alone.”)

Of course Robert Downey Jr., Gwyneth Paltrow, Scarlett Johansson and Jeremy Renner are the highlights of the film. But there are so many heroes and subjects that it is almost impossible to draw a preference.

The biggest plus of the film, surprisingly is its script, where deep film themes such as loyalty, capacity for sacrifice, friendship, love and family are challenged and questioned at every scene. The script does wonderfully well on all the ideas it traces to a memorable saga ending.

In a certain scene, Iron Man says, “The end is only one stage of the journey.” This AVENGERS; ENDGAME is an exceptional finale for an unforgettable saga for Marvel fans and cinema.

CALMARIA: Poderia Ter Sido um Excelente Filme Noir

CALMARIA, de Steven Knight (cineasta inglês de PEAKY BLINDERS e COISAS BELAS E SUJAS) inciai como uma fulgurante releitura dos clássicos filmes noir do cinema, prometendo ser uma grande história. Tem o anti-herói (um veterano da Guerra do Iraque que fugiu do mundo se isolando em uma bela ilha onde virou pescador), mulheres fatais lindas e misteriosas (a quarentona rica que solicita favores sexuais mediante pagamento e a loira do passado que ressurge cheia de demandas), o parceiro idealista em pleno período de luto e um peixe gigante chamado Justiça que teima em desafiar o protagonista.

Poderia haver início mais interessante para um filme?

Ocorre que do meio para o fim, o diretor Knight e seus roteiristas pisaram na bola, criando uma história quase de ficção científica que perde interesse a cada cena, seja porque o final fica absolutamente previsível, seja porque a gente fica lamentando o que poderia ter sido e não foi.

O desperdício do excelente elenco também é algo a se lamentar muito. Matthew McConaughey é sempre um ator cujo trabalho se vê com atenção. Como o ex-mariner com a cabeça ruim está outra vez muito bem. anne Hathaway, linda como sempre luta contra falas sem sentido do roteiro mas consegue dar a sua personagem o ar misterioso e ambíguo necessários. Diane Lane exala sensualidade, embora sua personagem raramente deixa sua casa durante todo o filme. Djimon Hounsou, um dos melhores coadjuvantes da atualidade faz outro tipo pleno de atrativos. E Jason Clarke como o odioso vilão realmente consegue que o espectador deseja a morte dele a cada cena.

Um dos melhores filmes das últimas décadas é CORPOS ARDENTES, de Lawrence Kasdan, uma primorosa releitura dos clássicos noir. CALMARIA chegou a dar um gostinho de CORPOS ARDENTES em seu início. Pena que jogou fora qualquer chance na piração existencial e cibernética de seus autores. Poderia ter sido. Mas não foi.

SERENITY, by Steven Knight (Brittish filmmaker of PEAKY BLINDERS and DIRTY PRETTY THINGS) starts as a brilliant retelling of classic cinema noir films, promising to be a great story. There is the anti-hero (a veteran of the Iraq War who has fled the world isolating himself on a beautiful island where he became a fisherman for rental), beautiful and mysterious fateful women (the wealthy forty-year-old who asks for sexual favors for pay and the blonde of the past who reappears full of illegal demands), the idealistic partner in full mourning period and a giant fish called Justice that stubbornly defying the protagonist.

Could there be more interesting beginning to a movie?

It happens that from the middle to the end, Director Knight and his screenwriters have wrogfully kicked the bucket, creating an almost science fiction story that loses interest in each scene, either because the ending is absolutely predictable, or because we are lamenting the which could have been and was not.

The waste of the excellent cast is also something to be very sorry. Matthew McConaughey is always an actor whose work is watched with attention. As the ex-mariner with the bad head is again very well. Anne Hathaway, beautiful as ever, fighting against senseless lines of script but manages to give her character the necessary mysterious and ambiguous air. Diane Lane exudes sensuality, although her character rarely leaves her home throughout the film. Djimon Hounsou, one of the best coadjuvantes of today makes another type full of attractions. And Jason Clarke as the hateful villain really gets the viewer to want his death at every scene.

One of the best films of the last decades is BODY HEAT, by Lawrence Kasdan, an exquisite re-reading of the classics noir. SERENITY came to give a taste of BODY HEAT in its beginning. Too bad it threw away any chance in the existential and cybernetic piracy of its authors. It could have been. But it was not

QUANDO A NOITE CAI: Drama Canadense Foca Conflito entre Paixão e Repressão

QUANDO A NOITE CAI (WHEN THE NIGHT IS FALLING), drama dirigido pela cineasta canadense Patricia Rozema narra a história de uma jovem professora de mitologia em uma escola religiosa que, às vésperas do casamento, se envolve amorosamente com uma acrobata de um circo que está na cidade.

O contraste absoluto entre a sua vida – guiada por regras rígidas e inflexiveis – e o estilo libertário e descompromissado da jovem circense exerce nas duas mulheres uma atração irresistível.

O roteiro do filme consegue extrair momentos muito expressivos deste contraste, quando, por exemplo, contrapõe a preparação do espetáculo circense com uma entrevista no colégio religioso onde trabalham a professor ae seu noivo com um comitê que está escolhendo os mestres para um trabalho eclesiástico.

São igualmente ótimas as cenas que fazem analogia entre um número de trapézio com duas trapezistas com a entrega apaixonada das duas amantes no próprio reduto do circo. A cena é visualmente arrebatadora. Aliás, todo o visual do filme de Rozema é extremamente bem feito e plasticamente irretocável.

A protagonista é vivida pela atriz e roteirista canadense Pascale Bussières, ótima em seu papel dividido entre uma vida de repressão e o sonho de liberdade. A acrobata é a atriz negra canadense Rachel Crawford, igualmente excelente em seu papel sedutor e questionador. Também estão muito bem no elenco Henri Czerny (de MISSÃO IMPOSSÍVEL e PERIGO REAL E IMEDIATO), como o noivo religioso desconcertado pelo que está acontecendo e o premiado ator David Fox (PACIFIC RIM) como o Reverendo DeBoer, que dirige a escola com mão de ferro.

O filme logra atingir sua mensagem com excelência ao expor os contrastes entre as duas propostas de vida. E consegue, inclusive fugir de armadilhas morais tão comuns em produções que ousam explorar este tema.

WHEN THE NIGHT IS FALLING, drama directed by Canadian filmmaker Patricia Rozema tells the story of a young teacherof Mithology at a religious school who, on the eve of marriage, lovingly evolves herself with an acrobat from a circus that is in the city.

The absolute contrast between her life – guided by rigid and inflexible rules – and the libertarian and uncompromising style of the young circus girl has an irresistible attraction on both women.

The script of the film can extract very expressive moments of this contrast, when, for instance, it contrasts the preparation of the circus spectacle with an interview in the religious college where the teacher talks with her fiancé with a committee that is choosing the masters for a ecclesiastical task.

The scenes that make an analogy between a trapeze number with two female trapeze artists and a passionate love scene of the two lovers in the center of the circus are also great. The scene is visually enthralling. In fact, the whole visual of Rozema’s film is extremely well done and plastically irreplaceable.

The protagonist is lived by the Canadian actress and writer Pascale Bussières, great in his role divided between a life of repression and the dream of freedom. The acrobat is the Canadian black actress Rachel Crawford, equally excellent in her seductive and questioning role. Henri Czerny (of MISSION : IMPOSSIBLE and REAL AND PRESENT DANGER), as well as the religious boyfriend disconcerted by what is happening and award-winning actor David Fox (PACIFIC RIM) as the Reverend DeBoer, who runs the school with a hand iron.

The film manages to achieve its message with excellence in exposing the contrasts between the two proposals of life. And it can even escape moral traps so common in productions that dare to explore this subject.

MICHELLE PFEIFFER, 61 Anos e Uma Thurman, 49 Anos: Duas Atrizes Loiras Maravilhosas Fazem aniversário no Mesmo Dia

Dia 29 de abril é a data de nascimento de duas loiras atrizes maravilhosas. Michelle Pfeiffer está fazendo 61 anos hoje. E Uma Thurman está fazendo 49 anos hoje. Duas ótimas atrizes e mulheres inteligentes e lindas.

April, 29th is the birthday of two blonde actresses. Michelle Pfeiffer is 61 years old and Uma Thurman is 49 years old today. Two excellent actresses and smart and beautifull women.

NO GOD, NO MASTER: Drama Sobre os Primórdios do FBI Levanta a Questão dos Imigrantes

David Strathairn é um excelente ator. Mas faz sua carreira raramente sendo o protagonista do filme. Tem trabalhos excepcionais, como em BOA NOITE E BOA SORTE, SOMOS MARSHALL, TEMPLE GRANDIN e UM CRIME DE MESTRE. Hoje ele tem um papel importante na ótima série BILLIONS. Em 2013, ele foi o ator principal do filme NO GOD, NO MASTER, um drama sobre o início das atividades do FBI (então apenas Bureau of Investigation), vivendo o agente William Flynn, encarregado de investigar uma série de explosões que assombram Nova Iorque.

Era um tempo de muita convulsão social, com os iniciantes sindicatos de trabalhadores imigrantes questionando fortemente o capitalismo de pessoas como John D. Rockefller e seus direitos trabalhistas. Foi a época da prisão dos imigrantes italianos Sacco e Vanzetti, acusados de matar dois policiais para roubar um pagamento em crime que marcou a história judicial americana, como um erro grave que os levou à pena de morte, sendo os dois posteriormente reconhecidos como inocentes. Foi a época do in;icio de carreira de J.Edgar Hoover, depois Chefe do FBI por mais de 40 anos.

O agente Flynn busca resolver o caso – com todas as carências investigatórias da época – sem se deixar contaminar pelos radicalismos políticos de lado a lado.

Strathairn consegue criar um personagem fascinante que tem um misto do Elliot Ness de Kevin Costner e Brian de Palma em OS INTOCÁVEIS (pelo seu idealismo e obstinação em resolver as coisas) com a desilusão de quem se vê impotente para enfrentar poderosos e suas influências no governo.

NO GOD, NO MASTER também acerta em focar uma questão crucial no mundo de hoje. Como fazer o balanço entre a liberdade e as regras que necessariamente tem que ser estabelecidas com relação à entrada de imigrantes estrangeiros no país? O filme, inclusive, cresce muito em traçar um paraleo entre aquilo que aconteceu e a atual guerra frente ao terror e a violação de direitos individuais.

Emocionante, inteligente, histórico e atual, NO GOD, NO MASTER é um belo drama político a ser visto por quem se interessa nestas reflexões.

David Strathairn is an excellent actor. But it makes his career rarely being the protagonist of the film. He has exceptional works, as in GOOD NIGHT AND GOOD LUCK, WE ARE MARSHALL, TEMPLE GRANDIN and FRACTURE. Nowadays he is one of the main characters in BILLIONS. In 2013, he was the lead actor in the film NO GOD, NO MASTER, a drama about the beginning of FBI activities (then only the Bureau of Investigation), living with agent William Flynn, charged with investigating a series of explosions that haunt New York .

It was a time of much social claims, with the beginnings of immigrant labor unions strongly questioning the capitalism of people like John D. Rockefller about their labor rights. It was the time of the arrest of the Italian immigrants Sacco and Vanzetti, wrongfully accused of killing two police officers that marked American judicial history, as a great error that led to the death penalty, both of which were later recognized as innocent. It was the time of J. Edgar Hoover‘s career, then Head of the FBI for over 40 years.

Agent Flynn seeks to resolve the case without being contaminated by political radicalisms side by side.

Strathairn manages to create a fascinating character that has a mix of Kevin Costner‘s (and Brian de Palma) Elliot Ness in THE UNTOUCHABLES (for their idealism and stubbornness in solving things) with the disillusionment of those who find themselves powerless to face powerful people and their influences on government.

NO GOD, NO MASTER also strives to focus on a crucial issue in today’s world. How do we balance freedom and the rules that necessarily have to be established regarding the entry of foreign immigrants into the country? The film, too, grows a lot in tracing a parallel between what happened and the current war on terror and the violation of individual civil rights.

Exciting, intelligent, historical and profound, NO GOD, NO MASTER is a beautiful political drama to be seen by those who are interested in these reflections.

LINE OF DUTY: Temporada 5 da Série Inglesa sobre Policiais da Corregedoria Cria História Tensa e Cheia de Suspense

LINE OF DUTY é uma excelente série inglesa sobre um Departamento da Polícia que investiga casos de corrupção entre policiais. É o C12, uma espécie de Corregedoria da Polícia Britânica. Nas temporadas anteriores, as histórias já eram excelentes, pontificando aquela da investigação sobre a Chefe de Polícia vivida por Thandie Newton (sempre excelente).

Nesta quinta temporada os seis episódios (que maravilha temporadas curtas) focam as investigações sobre os atos de um policial infiltrado em uma quadrilha especializada em roubos de drogas apreendidas pelo estado.

O filme inicia com um assalto a um comboio que leva drigas apreendidas para serem destruídas. A cena é impressionantemente bem feita e cheia de suspense.

O trio central de detetivas do C12 é vivido por Martin Compstom (como o Sargento Steve Arnott ainda enfrentando dores decorrentes da queda que o tornou quase paralítico na temporada quatro), Vickie McClure (a excelente kate Fleming) e o ótimo Adrian Dunbar (o chefe do setor enfrentando um divórcio complicado).

Mesmo tendo a sisudez típica das séries inglesas, LINE OF DUTY capricha muito nos dilemas existenciais e axiológicos de seus protagonistas divididos entre o sendo de dever e o fato de estarem expondo colegas policiais a investigações profundamente incômodas.

Trata-se de uma das melhores séries da TV atual, ainda mais para quem admira bons filmes policiais.

LINE OF DUTY is an excellent Brittish series on a Police Department that investigates cases of police corruption. It’s the C12, a sort of Internal Affairs. In the previous seasons, the stories were already excellent, being the higlight the one of the investigation on the Police Chief lived by Thandie Newton (always excellent).

This season’s six episodes (short seasons are great) focus on investigations into the actions of a police officer infiltrating a gang specializing in drug theft seized by the state.

The film begins with a robbery to a convoy that takes apprehended drugs to be destroyed. The scene is stunningly well done and full of suspense.

The central trio of detectives of the C12 is lived by Martin Compstom (as Sergeant Steve Arnott still facing pains of the fall that made him almost paralyzed in season four), Vickie McClure (the excellent Kate Fleming) and the great Adrian Dunbar (the head of the C12 facing a complicated divorce).

LINE OF DUTY captures much in the existential and axiological dilemmas of its protagonists divided between being of duty and the fact that they are exposing police colleagues to deeply uncomfortable investigations.

This is one of the best series on current TV, especially for those who admire good cop movies

A FACE DE UM ANJO: Policial Ítalo-Britânico Defende que no Jornalismo a Verdade é Menos Relevante que a História

A FACE DE UM ANJO, do inglês Michael Winterbottom é um filme policial co-produzido por empresas italianas e britânicas, contando a história de um documentarista que vai para a Itália fascinado pela história do assassinato de um jovem estudante pela sua colega de quarto e o namorado, num rumoroso caso policial e judiciário da cidade de Perugia.

O filme é uma releitura do famoso caso Amanda Knox, uma mulher americana que ficou 4 anos presa na Itália acusada de ter participado do assassinato de sua colega de apartamento Meredith Kercher em 2007, em Perugia, juntamente com seu namorado Raffaele Sollecito e Rudy Guede, um pequeno traficante da Costa do Marfim.

Há vários coisas muito boas no filme. A diferença entre a cobertura da mídia sobre o caso e o julgamento e os interesses e dúvidas do cineasta interessado em fazer um documentário sobre o assassinato são uma reflexão excelente, ainda mais nos tempos atuais de questionamentos sobre a grande mídia.

As dicas dadas pela jornalista inglesa vivida por Kate Beckinsale para o cineasta interpretado ppor Daniel Bruhl são os pontos altos do roteiro. “If you’re gonna make a movie, make it a fiction. You cannot tell the truth unless you make it a fiction. “(“Se você vai fazer um filme, faça-o de ficção. Você não pode dizer a verdade a não ser que você crie uma ficção.”) Ou o slogan do filme: “Forget the truth. Find the story.”(“Esqueça a verdade. Ache a história.”)

Outro ponto positivo é a presença da jovem atriz inglesa Cara Delevingne (então com 17 anos), no papel de uma jovem barwoman de um bar frequentado pelo proptagonista em busca de fuga e de drogas. Aliás, outro ponto positivo do filme são as cenas sobre a noite de uma cidade do interior da Itália e as formas de diversão dos jovens locais em meio à paisagem típica de ruelas e casas antigas, o que proporciona imagens belíssimas.

O diretor Winterbottom tem uma carreira estranha e provocativa. Fez o filme de sexo explícito 9 CANÇÕES e também o provocativo O ASSASSINO EM MIM.

Há um western clássico O HOMEM QUE MATOU O FASCÍNORA, de John Ford que imortalizou a frase “This is the West, sir. When the legend becomes fact, print the legend”. (“Aqui é o Oeste, Senhor. Quando a lenda se torna fato, imprima a lenda.”)

Evidentemente, A FACE DE UM ANJO não atinge (e nem pretende) o nível de excelência do clássico de Ford, mas estas reflexões sobre a verdade e a versão pública trazida pela mídia são excelentes ainda mais nos tempos que vivemos. Valem o filme.

THE FACE OF AN ANGEL, by Michael Winterbottom is a thriller co-produced by Italian and British companies, telling the story of a documentary filmmaker who goes to Italy fascinated by the story of the murder of a young American student by her roomate and her boyfriend in a rumored police and judicial case of the city of Perugia.

The film is a retelling of the famous case Amanda Knox, an American woman arrested in Italy for 4 years, accused of having participated in the murder of her roomate Meredith Kercher in 2007 in Perugia, along with her boyfriend Raffaele Sollecito and Rudy Guede, a small Ivorian drug dealer.

There are several very good things in the movie. The difference between the media coverage of the case and the trial and the interests and doubts of the filmmaker interested in making a documentary about the murder are an excellent reflection, even more in the current times of questions about the mass media.

The tips given by the British journalist lived by Kate Beckinsale to the filmmaker played by Daniel Bruhl are the highlights of the script. “If you’re going to make a movie, make it a fiction. You can not tell the truth unless you make a fiction. “) Or the movie ad slogan: ” Forget the truth. Find the story.”

Another positive point is the presence of the young English actress Cara Delevingne (then 17 years old), as a young barwoman at a bar frequented by the moviemaker in search of escape and drugs. In fact, another positive aspect of the film are the scenes about the night of a small city in Italy and the forms of amusement of the local youths amid the typical landscape of alleyways and old houses, which provides beautiful images.

The moviemaker Winterbottom has a strange and provocative career. He made the explicit movie 9 SONGS and the also provocative THE KILLER INSIDE ME.

There is a classic western THE MAN WHO SHOT LIBERTY VALANCE, by John Ford that immortalized the phrase “This is the West, sir.” When the legend becomes fact, print the legend.

Of course, THE FACE OF AN ANGEL does not (and doesn’t even intend) achieve the level of excellence of the Ford classic, but these reflections on the truth and the public version brought by the media are excellent even more in the times we live. They’re worth the movie.

TEIA DE MENTIRAS: Drama de Tribunal Traz Advogada Lutando contra Seus Demônios

TEIA DE MENTIRAS, da cineasta californiana Karen Moncrieff conta a história de uma advogada ameaçada de perder a licença em face dos problemas de alcoolismo que recebe como última chance o caso pro-bono de uma condenda a prisão perpétua por assassinato, em um inquérito cheio de abusos policiais e da Promotoria.

Em meio ao julgamento que pode lhe reabilitar ela está enfrentando um terrível batalha judicial com o ex-marido pela custória da filha pequena a quem negligenciou nos piores momentos de seu alcoolismo.

Recuperar a auto-estima, vencer o julgamento inocentando sua cliente, restabelecer a relação com a filha, enfrentar os agressivos e insatisfeitos policiais que investigaram o caso e novamente se estabelecer na comunidade jurídica entre magistrados e colegas são os grandes desafios da advogada Cate McCall, vivida com garra invulgar pela inglesa Kate Beckinsale, além de talentosa, uma das atrizes mais lindas da atualidade.

Nick Nolte (extremamente envelhecido), James Cromwell, Mark Pellegrino, Clancy Brown, Isaiah Washington e outros ótimos atores coadjuvantes compões o excelente cast deste drama de tribunal cheio de reviravoltas e cenas que prendem o espectador à tela.

A condução de Karen Moncrieff acesce ao filme a visão feminina de temas muito caros à mulher tais como o assédio permanente que sofrem no exercício diário da profissão, a vulnerabilidade na relação com o ex-marido, o drama do alcoolismo e a necessidade permanente de conciliar seus valores com os desafios que a vida proporciona.

Outra qualidade do filme é a falta de pretensão em ser mais que um exercício talentoso de cinema no gênero, fazendo suas cenas e colocações de forma simples e quase despojada, dotadas, porém, de grande interesse para quem se interessar nos dramas pessoais, profissionais e afetivos de uma advogada lutadora e determinada a voltar a viver.

THE TRIALS OF CATE MCCALL, by Karen Moncrieff tells the story of a female lawyer threatened to lose her license in the face of alcoholism, who receives as a last chance in the pro-bono case of a life sentence for murder in a an investigation full of police and prosecution misconducts.

In the midst of the trial that can rehabilitate her, she is facing a terrible legal battle with her ex-husband for the custody of her young daughter whom she neglected in the worst moments of her alcoholism.

Recovering self-esteem, winning the trial by clearing your client, reestablishing the relationship with the daughter, confronting the aggressive and dissatisfied police who investigated the case and once again establishing themselves in the legal community between magistrates and colleagues are the lawyer’s Cate McCall great challenges; she is the Brittish Kate Beckinsale, a highly talented and one of the most beautiful actresses of the day.

Nick Nolte (extremely aged), James Cromwell, Mark Pellegrino, Clancy Brown, Isaiah Washington and other great supporting actors compose the excellent cast of this courtroom drama full of twists and scenes that hold the viewer to the screen.

Karen Moncrieff leads the film to a woman’s point of view of topics that are very important to women such as the permanent harassment in the daily exercise of their profession, vulnerability in their relationship with their ex-husband, the drama of alcoholism, and the need to reconcile their values ​​with the challenges that life provides.

Another quality of the film is the lack of pretense in being more than a talented exercise of cinema in the genre, making its scenes and placements in a simple and almost despoiled way, endowed, however, of great interest for those who take an interest in personal, professional and affective dramas of a female lawyer fought and determined to come back to live.

APENAS UM GAROTO EM NOVA IORQUE: Comédia Dramática sobre Jovem Descobrindo a Vida Tem Muita Coisa Boa

APENAS UM GAROTO EM NOVA IORQUE, de Marc Webb é uma comédia dramática sobre um jovem novaiorquino que vive a fase de indecisão profissional (quer ser escritor mas seu pai tem uma das maiores editoras da cidade), amorosa (é apaixonado por uma colega que pretende ir embora para conhecer o mundo) e termina se envolvendo coma linda namorada de seu pai em meio à crise emocional de sua mãe.

Para completar, o protagonista cruza (e passa a ter lições de vida) com um recluso escritor veterano alcoólatra que parece saber muito sobre a vida e principalmente sobre o jovem.

Entre tantos destaques de APENAS UM GAROTO EM NOVA IORQUE, estão a belíssima fotografia que não economiza em mostrar paisagens estonteantes da Big Apple em todos os momentos do dia, noite e madrugada e o elenco recjeado de nomes de peso.

Pierce Brossnam (007), Cintia Nixon (SEX AND THE CITY), Jeff Bridges (quanto mais velho melhor), Kate Beckinsale (dolorosamente linda), e os jovens Callum Turner (jovem ator inglês da mini série GUERRA E PAZ da BBC) e Kiersey Clemons (a Iris de FLASH e a Maria de ANGIE TRIBECA). O cast tem veteranos que emprestam sua experiência e categoria mixados a jovens ascendentes cheios de volúpia criativa. O resultado são cenas deliciosas que muitas vezes lembram os melhores momentos novaiorquinos de Woody Allen.

O filme mostra inúmeros costumes de Nova Iorque (e da sociedade americana), como os jantares “culturais” da alta classe, as festas de lançamento de livros e os casamentos cheios de pompa e circunstância, todos vistos em um misto de documentário e visão irônica e crítica.

Os choque emocionais do casal com o filho, principalmente depois que ele descobre a infidelidade do pai, são outro destaque do filme, bastante emocional em examinar como ficam as relações depois deste trauma.

O filme ainda reserva um twist de roteiro absolutamente inesperado e surpreendente que eleva bastante não somente o nível de profundidade e dramaticidade da história, como revela a inteligência diferenciada do roteiro para fugir do lugar comum. aliás, o roteiro contém belas frases sobre relações humanas, como por exemplo “a única saída é ir para dentro”(“the only way out is going through”).

APENAS UM GAROTO EM NOVA IORQUE teve discreto lancamento nos cinemas brasileiros em dezembro de 2017, passando completamente despercebido. Vale a pena o resgate deste filme cheio de aspectos relevantes nos serviços de streaming.

THE ONLY LIVING BOY IN NEW YORK, by Marc Webb is a dramatic comedy about a young New Yorker who lives the phase of professional indecision (wants to be a writer but his father has one of the biggest publishers in the city), loving (he is in love with a colleague who intends to leave to meet the world) and ends up getting involved with his father’s beautiful girlfriend in the midst of his mother’s emotional crisis.

To complete, the protagonist crosses (and happens to have life lessons) with a reclusive alcoholic veteran writer who seems to know a lot about life and especially about the young person.

Among so many highlights of THE ONLY LIVING BOY IN NEW YORK, are the beautiful cinematography that does not skimp on showing stunning landscapes of the Big Apple at all times of the day, night and dawn and the cast with names of weight. >

Pierce Brosnan (007), Cintia Nixon (SEX AND THE CITY), Jeff Bridges (the older the better), Kate Beckinsale (painfully beautiful), and the young Callum Turner (young English actor of the mini series WAR AND PEACE from BBC) and Kiersey Clemons (Iris of FLASH and Maria of ANGIE TRIBECA) are in the cast. They are veterans who lend their mixed experience and class to young upstarts filled with creative lust. The result is delightful scenes that often resemble Woody Allen‘s best New York moments.

The film features numerous New York (and American society) customs, such as high-class “cultural” dinners, book-launch parties, and marriages full of pomp and circumstance, all seen in a mix of documentary and ironic and critical vision.

The emotional conflict of the couple with their son, especially after he discovers his father’s infidelity, is another highlight of the film, quite emotional in examining how the relationship becomes after this trauma.

The film still reserves an absolutely unexpected and surprising twist of script that not only raises the level of depth and dramaticity of the story, but reveals the script’s differentiated intelligence to escape from the commonplace. In fact, the screenplay contains beautiful sentences about human relations, such as “the only way out is going through.”

THE ONLY LIVING BOY IN NEW YORK had a timid release in Brazilian cinemas in December 2017, going completely unnoticed. It is worth the rescue of this movie full of relevant aspects, in the services of streaming.

CHAMBERS: Série de Terror da NETFLIX Traz a Musa Uma Thurman

Estreia hoje na NETFLIX a série de terror CHAMBERS. São dez capítulos nesta primeira temporada narrando a história de uma jovem que faz um transplante cardíaco e desenvolve uma estranha ligação com a doadora.

A maior atração, fácil fácil é a presença da musa Uma Thurman (KILL BILL).

Today it will be released CHMABERS, a new terror series original from NETFLIX. There are ten chapters in this first season, telling the story of a young woman that receives a new heart and develops a strange relation with the doner.

The main attraction, easy easy, is the actress Uma Thurman, the muse. (KILL BILL).