NEVER HERE: Argumento Policial Ótimo se Perde em Belas Imagens e Mais Nada

NEVER HERE, da jovem cineasta Camille Thoman parte de um argumento policial bastante bom. Enquanto dois amantes estão em um encontro, o escritor Paul Stark (último papel do extraordinário ator e dramaturgo Sam Shepard, falecido logo após) vê pela janela do apartamento um homem batendo violentamente em uma mulher. Como ele não poderia estar ali, eles acertam que ela (a excelente Mireille Enos vivendo a fotógrafa e artista plástica Miranda Fall) chama a Polícia para denunciar o fato, como se ele fosse a testemunha.

A partir daí, os problemas começam a se acumular. As lacunas e contradições da narrativa dela (que não viu nada) passam a fazer os policiais desconfiarem dela. Além disto, o suspeito de ser o agressor passa a persegui-la com descrédito das autoridades.

O elenco ainda tem o grande ator croata Goran Visnjic, Vincent Piazza e Ana Nogueira, como o suspeito, o policial encarregado do caso e a assistente da artista. Fazem um ótimo elenco.

O argumento é excelente, embora já tenha gerado um filme coma mesma historia, JANELA SUSPEITA, de Curtis Hanson, com Elizabeth McGovern e Steve Guttemberg.

No caso de NEVER HERE, o espectador ainda é brindado com imagens de uma beleza estonteante, cuja repetição sem fim toma o papel de principal característica do filme, deixando o desenvolvimento da história e dos personagens para um relegado segundo plano.

Perde o filme e perde o espectador. O que poderia ser um excelente filme policial e de suspense, perde lugar para um exercício estético com momentos aborrecidos. Foi o filme que poderia ter sido e não foi.

NEVER HERE, by young filmmaker Camille Thoman begin with a pretty good police argument. While two lovers are in a meeting, writer Paul Stark (the late role of the extraordinary actor and playwright Sam Shepard, deceased shortly after) sees through the window of the apartment a man banging violently on a woman. As he could not be there, they agree that she (the excellent Mireille Enos living the photographer and plastic artist Miranda Fall) calls the police to denounce the fact, as if she were the witness.

From there on, the problems begin to accumulate. The gaps and contradictions of her narrative (which saw nothing) begin to make the police distrust her. In addition, the suspect of being the aggressor happens to persecute her with discredit of the authorities.

The cast still has the great Croatian actor Goran Visnjic, Vincent Piazza and Ana Nogueira, as the suspect, the police officer in charge of the case and the assistant of the artist. They make a great cast.

The plot is excellent, although it has already generated a movie with the same story, Curtis Hanson’s THE BEDROOM WINDOW, with Elizabeth McGovern and Steve Guttemberg.

In the case of NEVER HERE, the viewer is still gifted with images of stunning beauty, whose endless repetition plays the main character of the film, leaving the development of the story and the characters to a relegated background.

Loses the movie and loses the viewer. What could be an excellent thriller, loses room for an aesthetic exercise with boring moments. It was the movie that could have been and was not.

UM AMOR INESPERADO: Ótimas Reflexões Sobre um Casamento Longo Iniciam no Título do Filme

UM AMOR INESPERADO, filme do argentino Juan Vera é seu primeiro filme como diretor. Ele é bastante famoso na Argentina como produtor de filmes notáveis, como O FILHO DA NOIVA, ELEFANTE BRANCO, 2+2 e ABUTRES.

Ricardo Darin é o maior nome do cinema argentino atual. Sua filmografia é de dar inveja a qualquer ator. O SEGREDO DOS SEUS OLHOS, O FILHO DA NOIVA, CONTO CHINÊS, NOVE RAINHAS, TRUMAN e CONTOS SELVAGENS São apenas uma parte de seus sucessos. Também atua como Co-Produtor deste UM AMOR INESPERADO.

Mercedes Morán é uma consagrada atriz argentina da televisão, multipremiada em seu País por trabalhos como GUAPAS, SUEÑO FLORIANÓPOLIS e BÉTIBU.

A reunião deste trio de excelência para uma comédia dramática (ou “dramedie” como dizem os americanos) sobre um casamento que dura mais de 25 anos e passa a sofrer com a chamada “síndrome do ninho vazio”quando o filho do casal vai estudar na Espanha só poderia gerar um filme bastante interessante.

Embora tenha cenas cômicas maravilhosas, é no drama e na profundidade com que aborda a relação, que UM AMOR INESPERADO cresce. E o melhor: como quase todo filme argentino não tem a pretensão de ser uma obra prima, mas apenas um filme a contar sua história e fazer refletir. Entre tantos aspectos de interesse, a abordagem sobre as perplexidades com as novas tecnologias e as redes sociais, como Tinder, Instagram, Skype etc… colocam temas muito atuais no contexto do drama dos personagens.

O título original do filme em espanhol é UM AMOR MENOS PENSADO. Faz mais sentido. Dar maior relevância aos sentimentos do que à racionalidade em um casamento longo. Fui pesquisar e vi que o filme nos estados Unidos vai ser lançado com o mesmo título do Brasil: AN UNEXPECTED LOVE. Mas na França, ganhou uma terceira versão do nome (RETOUR DE FLAMME ou A VOLTA DA CHAMA). De todos, acho o título original o mais adequado. Reflete melhor o que os realizadores quiseram discutir.

Acho que UM AMOR INESPERADO não atingiu a grandeza dos melhores trabalhos de Ricardo Darin, que, na minha opinião seguem sendo O FILHO DA NOIVA e O SEGREDO DOS SEUS OLHOS. Mas, sem dúvida, por seu roteiro inteligente e profundo, por algumas cenas memoráveis dramáticas (a do jantar com o pai em sua casa provisória por exemplo) ou cômicas (o encontro via Tinder), UM AMOR INESPERADO fica bem acima de filmes mais pretensiosos sobre o mesmo tema.

UM AMOR INESPERADO não é (e nem se pretende) um pequeno grande filme. Mas tranquilamente pode ser qualificado como um grande pequeno filme.

AN UNEXPECTED LOVE, Argentine film by Juan Vera is his first film as director. He is quite famous in Argentina as a producer of notable films such as THE SON OF THE BRIDE, WHITE ELEPHANT, 2 + 2 and ABUTRES.

Ricardo Darin is the biggest name in Argentine cinema today. His filmography is to make any actor jealous. THE SECRET IN THEIR EYES, THE SON OF THE BRIDE, A CHINESE TALE, NINE QUEENS, TRUMAN, and WILD TALES are only part of their successes. He also acts as Co-Producer of this AN UNEXPECTED LOVE.

Mercedes Morán is a consecrated Argentine actress of the television, multipremiada in his Country by works like GUAPAS, SUEÑO FLORIANÓPOLIS and BÉTIBU.

The meeting of this trio of excellence for a dramatic comedy (or “dramedie” as the Americans say) about a marriage that lasts for more than 25 years and goes on to suffer from the so-called “empty nest syndrome” when the couple’s son going to study in Spain, could only generate a rather interesting film.

Although it has wonderful comedic scenes, it is in the drama and depth with which it approaches the relationship, that AN UNEXPECTED LOVE grows. And the best: as almost every Argentine film is not intended to be a masterpiece, but only a film to tell its story and make reflect. Among so many aspects of interest, the approach to perplexities with new technologies and social networks, such as Tinder, Instagram, Skype etc … put very current themes in the context of the drama of the characters.

The original title of the Spanish film is A LOVE LESS THOUGHT. Makes more sense. Give greater relevance to feelings than to rationality in a long marriage. I went to research and I saw that the film in the United States will be released with the same title of Brazil: AN UNEXPECTED LOVE. But in France, he won a third version of the name (RETOUR DE FLAMME or THE COMEBACK OF THE FLAME). Of all, I find the original title the most appropriate. It better reflects what the filmmakers wanted to discuss.

I think that AN UNEXPECTED LOVE has not reached the greatness of the best works of Ricardo Darin, who, in my opinion, remain THE SON OF THE BRIDE and THE SECRET IN THEIR EYES. But undoubtedly for his clever and deep script, for some dramatic memorable scenes (the dinner with his father in his temporary home for example) or comic (the encounter via Tinder), AN UNEXPECTED LOVE stands well above more pretentious movies on the same theme.

AN UNEXPECTED LOVE is not (and does not even want to) a little great movie. But for sure it can be qualified as a great little movie.

PROVEN INNOCENT: Série da FOX Aborda Condenações Erradas da Justiça

PROVEN INNOCENT é uma nova série de tribunal da FOX que parte de um argumento bastante interessante. Dois irmãos são condenados erradamente por um crime que não cometeram. Anos depois, quando saem da cadeia, a menina – que estudou direito – vai trabalhar em um escritório de advocacia especializado em reverter condenações equivocadas.

O inimigo número um dela é o Promotor que os condenou, o superstar Gore Bellows (Kelsey Grammer, sempre ótimo), cheio de pretensões políticas e conflitos pessoais e familiares. A protagonista injustiçada é a atriz canadense Rachelle Lefreve (da franquia CREPÚSCULO). Ao lado deles, estão Riley Smith (da precocemente encerrada FREQUENCY), Russell Hornsby (UM LIMITE ENTRE NÓS) e Catherine Lidstone.

Nos primeiros cinco episódios – que seguem a tendência moderna de ter uma história completa por capítulo paralela à história central da série – vê-se casos variados que, por diversas razões resultaram em pessoas condenadas injustamente.

A série está apenas iniciando, buscando o caminho a ser trilhado. Mas pela amostra inicial e pela relevância do seu tema central (condenações injustas), tem muito a progredir e pode se tornar um sucesso significativo.

PROVEN INNOCENT is a new FOX courtroom drama series that starts from a rather interesting argument. Two brothers are wrongly convicted of a crime they did not commit. Years later, when they leave the jail, the girl – who studied law – goes to work at a law firm specializing in reversing wrong convictions.

Their number one enemy is the District Attorney who condemned them, superstar Gore Bellows (Kelsey Grammer, always great), full of political pretensions and personal and family conflicts. The undisputed protagonist is Canadian actress Rachelle Lefreve (of the TWILIGHT franchise). Next to them are Riley Smith (from the early closed FREQUENCY), Russell Hornsby and Catherine Lidstone.

In the first five episodes – which follow the modern tendency to have a complete history by chapter parallel to the central story of the series – there are varied cases that for various reasons have resulted in wrongly convicted persons.

The series is just beginning, looking for the path to be trodden. But by the initial sample and the relevance of its central theme (unfair convictions), it has much to progress and can become a significant success.

OPERAÇÃO FRONTEIRA: Muito Tiro e Pouca Reflexão em Filme de Ação Original da NETFLIX

OPERAÇÃO FRONTEIRA, de J.C.Chandor é uma produção original da NETFLIX que tem muito tiro, muita correria, muita transpiração e, pelo menos na minha opinião, muito pouca inspiração.

Um grupo de ex-combatentes das forças especiais americanas se reúne, sob a inspiração de um deles que está em atividade em um país terceiro mundista, para roubar o dinheiro de um chefe de um cartel de drogas.

Achei a justificativa para “enobrecer” o roubo, sendo o dinheiro de um bandido, altamente questionável. Pareceu uma desculpa esfarrapada. Pior ainda foram a menções aos sacrifícios feitos na vida de soldado e os poucos (ou nenhum) êxito financeiro na vida dos protagonistas. O roteiro é fraquíssimo nestas tentativas de justificar o injustificável.

A situação fica ainda mais indesculpável quando se vê que o elenco tem ótimos nomes, como o ascendente Oscar Isaac (o ator Guatemalteco que vive o mocinho Poe Dameron na franquia STAR WARS), Ben Aflleck ( o Batman a DC Comics, ganhador do Oscar por ARGO) e a linda atriz Porto-riquenha Adria Arjona, de TRUE DETECTIVE 2. O ascendente Garrett Hedlund, de TRON LEGACY também marca presença.

OPERAÇÃO FRONTEIRA não decola em nenhum instante do filme, sendo divertidamente ilustrativa a fuga de helicóptero que os soldados empreendem pelos Andes e sua dificuldade em ganhar altura carregando tanto peso. Acho que virou uma metáfora sobre o próprio filme.

Embora bem produzido, o filme tentou alçar vôos mais altos do que seu roteiro de mero filme de ação permitia. Não deu certo.

TRIPLE FRONTIER , by J.C.Chandor is an original NETFLIX production that has lots of shooting, lots of running, lots of perspiration and, at least in my opinion, very little inspiration.

A group of former US special forces soldiers gather, under the inspiration of one of them who is active in a third world country, to steal money from a drug lord cartel.

I found the justification to “ennoble” the theft, being the money of a thug, highly questionable. It seemed like a poor excuse. Worse were the mentions to the sacrifices made in the life of soldier and the few (or no) financial success in the life of the protagonists. The script is very weak in these attempts to justify the unjustifiable.

The situation is even more inexcusable when you see that the cast has great names, such as Oscar Isaac (the Guatemalan actor who lives Poe Dameron in the STAR WARS franchise), Ben Aflleck (Batman of DC Comics movies, winner of Oscar by ARGO) and the beautiful Puerto Rican actress Adria Arjona, of TRUE DETECTIVE 2. The ascendant Garrett Hedlund, of TRON LEGACY also appears.

Frontier operation does not take off at any point in the movie, and the helicopter flight from the Andes and its difficulty in gaining height by carrying so much weight is amusing. I think it’s become a metaphor for the film itself.

Although well produced, the film attempted to raise flights higher than its mere action movie script allowed. It did not work.

BILLIONS Temporada 4 Episódio 1: Aliança Ainda Engatinha e Planeja Suas Estratégias

BILLIONS, a série do Cinemax que disputa o posto de melhor programa da TV atualmente iniciou sua quarta temporada engatinhando nos efeitos da aliança entre Bobby Axelrod (Damian Lewis) e Chuck Roades (Paul Giamatti), sob o patrocínio da excelente psiquiatra Wendy Roades (extraordinário trabalho da ótima Maggie Siff).

Há uma série de alterações no quadro de relações pouco amistosas entre os personagens centrais, as quais valem muito a pena acompanhar nos próximos capítulos da série. Quem parece estar crescendo em sua participação é o fascinante personagem do bilionário russo Grigor Andolov (mais um trabalho de excelência de John Malkovich), cada vez mais misterioso, onipresente e ameaçador.

O trailer desta quarta temporada promete que as coisas vão esquentar nos duelos entre Chuck e os seus ex-amigos e atuais desafetos Procuradores de Justiça e entre Bobby e sua ex-protegée Taylor Mason (Asia Kate Dillon).

Neste primeiro episódio da quarta temporada quem se saiu melhor (dependendo do ponto de vista, claro) foi o notável Mike “Wags” Wagner (o ótimo David Costabile) sempre detentor das melhores frases e citações da série.

BILLIONS Season 4 ainda está na volta de aquecimento, por assim dizer. Mas esta corrida promete muitas emoções para os fãs da série.


BILLIONS, the Cinemax series that pitches for the best TV show, has begun its fourth season, crawling on the effects of the alliance between Bobby Axelrod (Damian Lewis) and Chuck Roades (Paul Giamatti) under the patronage of the excellent psychiatrist Wendy Roades (extraordinary work of the great Maggie Siff).

There are a number of changes in the framework of unfriendly relationships between the central characters, which are well worth following in the next chapters of the series. Who seems to be growing in its share is the fascinating character of the billionaire Russian billionaire Grigor Andolov (one more work of excellence of John Malkovich), more and more mysterious, omnipresent and threatening.

The trailer for this fourth season promises that things will heat up in the duels between Chuck and his former friends and current District Attorneys and between Bobby and his former protégé Taylor Mason (Asia Kate Dillon).

In this first episode of Season Four, who did better (depending on the point of view, of course) was the remarkable Mike “Wags” Wagner (the great David Costabile) who always holds the best quotes from the series.

BILLIONS Season 4 is still on the warm-up lap, so to speak. But this race promises many emotions for fans of the serie.

THE FIX: ABC Lança Série Policial Inspirada no Caso O.J.Simpson e Cheia de Twists no Enredo

THE FIX, série policial que estreou nesta segunda-feira na ABC norte-americana narra a história de um astro do cinema que é acusado de matar duas mulheres mas é absolvido apesar dos esforços da acusação. Oito anos depois, sua namorada aparece morta e ele é novamente acusado do crime pelo mesmo grupo de promotores que perdeu o primeiro julgamento.

Uma das tantas atrações da série de 10 capítulos é o fato de ser escrita e produzida por Marcia Clark, a famosa Promotora do Caso O.J.Simpson que, depois da absolvição saiu para o show business, escrevendo thrillers legais e séries para a TV.

Não por acaso, a história de THE FIX guarda muitas semelhanças com o Caso O.J.

Robin Tunney vive a Promotora Chefe Maya Travis que se retirou para uma fazenda no Oregon após o fracasso no primeiro caso. Agora ela é chamada por seu colega Matthew Collier (Adam Rayner) para liderar a nova acusação. Adewale Akinnuoye-Agbaje (o ator inglês de LOST) vive o acusado Sevvy Johnson. Scott Cohen faz o advogado de defesa Ezra Wolf.

Pelo primeiro episódio, THE FIX capricha nas reviravoltas da história, já tendo apresentado gangsters orientais com quem o advogado de defesa tem dívidas impagáveis, uma promotora comprometida com a defesa do réu, uma maleta que o acusado manda o enteado esconder antes da polícia chegar, um suspeito que joga fora um crucifixo usado pela morta e vários pontos obscuros na vida da Promotora Chefe.

Tudo isto promete acentuar as dúvidas sobre a culpa ou inocência do acusado, o que somente deve ficar resolvido no distante décimo episódio. Vai ser muito suspense.

THE FIX, a courtroom drama series that premiered on ABC on this Monday, tells the story of a movie star who is accused of killing two women but is acquitted despite prosecution efforts. Eight years later, his girlfriend appears dead and he is again charged by the same group of prosecutors who missed the first trial.

One of the many attractions of the 10-chapter series is the fact that it is written and produced by Marcia Clark, the famous O.J. Simpson Case who, after her acquittal, went on to show business writing legal thrillers and TV series .

Not coincidentally, THE FIX story bears many similarities to the O.J. Case.

Robin Tunney lives with Chief Promoter Maya Travis who retired to a farm in Oregon after the failure in the first case. Now she is called by her colleague Matthew Collier (Adam Rayner) to lead the new charge. Adewale Akinnuoye-Agbaje (the English actor of LOST) lives the accused Sevvy Johnson. Scott Cohen is the defense lawyer Ezra Wolf.

For the first episode, THE FIX has a lot of twists in the story, having already presented oriental gangsters with whom the defense lawyer has debts, a prosecutor committed to the defense, a suitcase that the accused orders the stepchild to hide before police arriving, a suspect throwing out a crucifix used by the dead and several obscure points in the life of the Chief Promoter.

All this promises to heighten doubts about the guilt or innocence of the accused, which should only be resolved in the distant tenth episode. It will be very suspenseful.

WILDE SE CASA NOVAMENTE: Comédia Dramática com Elenco Estelar é Retrato Cínico do Casamento

WILDE SE CASA NOVAMENTE (WILDE WEDDING), de Damien Harris é uma comédia dramática com um elenco absolutamente superlativo: Glen Close (que ganhou todos os prêmios de interpretação deste ano menos o Oscar por seu trabalho em A ESPOSA), John Malkovich ( excelente ator em alta com a série da AMAZON PRIME THE ABC MURDERS e uma ótima participação em BILLIONS), Patrick Stewart (o eterno Capitão Piccard de STAR TREK THE NEW GENERATION), Minnie Driver, Grace van Patten (OS SOPRANOS), Noah Emmerich, Peter Faccinelli e Jack Davenport.

Reunir todos estes ótimos atores e atrizes só poderia resultar em um filme bom. A atriz Eve Wilde vai se casar pela segunda vez com um escritor e reúne sua família para o evento, inclusive o ex-marido, o também ator Laurence (sheaksperiano). Os filhos dos dois maridos vão se integrar, amar, odiar, transar e complicar ainda mais uma situação por si só já bastante propensa a tensões de todo tipo.

O filme se propões a ser uma comédia dramática que se debruça sobre os casamentos, divórcios, namoros, liberdade sexual, paixões adolescentes e vários outros temas.

O roteiro consegue criar situações bastante engraçadas e frases muito inteligentes sobre os temas tratados. O cinismo é a marca maior do filme, pouco propenso a defender a instituição do casamento ou mesmo os amores duradouros.

De qualquer forma, no mínimo pelos atores centrais, WILDE SE CASA NOVAMENTE é um filme a ser visto.


THE WILDE WEDDING, by Damian Harris is a dramatic comedy with an absolutely superlative cast: Glenn Close (who won all of this year’s awards except for the Oscars for his work on THE WIFE), John Malkovich (great actor in a great period with the series from AMAZON PRIME, THE ABC MURDERS and a great participation in BILLIONS), Patrick Stewart (the eternal Captain Piccard of STAR TREK : THE NEW GENERATION), Minnie Driver, Grace van Patten (THE SOPRANOS), Noah Emmerich , Peter Faccinelli and Jack Davenport.

Gathering all these great actors and actresses could only result in a good movie. Actress Eve Wilde is getting married for the second time with a writer and brings her family together for the event, including ex-husband Laurence (sheaksperian). The children of the two husbands will integrate, love, hate, make sex and further complicate a situation already quite prone to tensions of all kinds.

The film sets out to be a dramatic comedy that focuses on marriages, divorces, dating, sexual freedom, teenage passions and various other themes.

The script manages to create very funny situations and very clever phrases about the topics covered. Cynicism is the film’s hallmark, little prone to defending the institution of marriage or even lasting love.

Anyway, at least for the central actors, THE WILDE WDDING is a movie to be seen.

FÚRIA EM ALTO MAR: Péssimo Título Nacional Não Tira Méritos de Filme de Ação com Ótimo Suspense

FÚRIA EM ALTO MAR (HUNTER KILLER), de Donovan Marsh (jovem diretor americano de THE GOOD FIGHT) teve um péssimo título nacional que em nada prejudica seus méritos, principalmente a criação de uma narrativa de suspense quase insuportável.

Os “filmes de submarino”, todos herdeiros da série de sucesso dos anos 60, VIAGEM AO FUNDO DO MAR, tiveram seu exemplar recente mais ilustre em O BARCO, de Wolfgang Petersen. CAÇADA AO OUTUBRO VERMELHO, de John mcTierman (com Sean Connery e Alec Baldwin) e MARÉ VERMELHA, de Tony Scott (com Denzell Washington e Gene Hackman) são outros dois bons títulos sob as águas.

FÚRIA EM ALTO MAR conta a história de um golpe militar na Rússia, comandado por um general belicista e maluco, que quer iniciar uma guerra nuclear mundial. Para impedir este intento, um submarino americano vai à Rússia esclarecer os fatos.

Gerard Butler, o oscarizado Gary Oldman, o excelente ator sueco recentemente falecido Michael Nyqvist, Linda Cardelini (GREEN BOOK) e o Rapper Common (O PROCURADO) compõem o elenco.

O melhor do filme é o suspense que cria, principalmente nas cenas de ameaça iminente ao submarino americano, momentos de tensão exemplares, em que é difícil ao espectador ver ou não ver a cena.

Por mais que se possa criticar FÚRIA EM ALTO MAR como um filme militarista ou belicista, a verdade é que ele se constitui em um competente filme de ação, com muitos méritos a serem devidamente apreciados.

Donovan Marsh‘s HUNTER KILLER (Young American director of THE GOOD FIGHT) has its merits, especially the creation of an almost unbearable thriller.

The “submarine films,” all heirs to the 1960s hit series VOYAGE TO THE BOTTOM OF THE SEA, had their most illustrious recent movie in Wolfgang Petersen‘s THE BOAT. John McTierman‘s HUNT FOR THE RED OCTOBER (with Sean Connery and Alec Baldwin) and Tony Scott‘s CRIMSON TIDE (with Denzell Washington and Gene Hackman) are two other titles underwater.

HUNTER KILLER tells the story of a military coup in Russia, led by a war-wired general, who wants to start a global nuclear war. To prevent this, an American submarine is going to Russia to clarify the facts.

Gerard Butler, Oscar winner Gary Oldman, the late Swedish actor Michael Nyqvist, Linda Cardelini (GREEN BOOK) and Rapper Common make up the cast.

The best of the film is the suspense that creates, especially in the scenes of imminent threat to the American submarine, moments of exemplary tension, in which it is difficult for the viewer to see or not to see the scene.

As much as it can be criticized HUNTER KILLER as a militaristic or warlike film, the truth is that it constitutes a competent action film, with many merits to be properly appreciated.

O REI DE ROMA: Comédia Dramática Italiana Faz Rir e Pensar

O REI DE ROMA (IO SONO TEMPESTA), de Danielle Luchetti se inspira nas melhores comédias dramáticas italianas dos mestres Dino Risi, Mario Monicelli, Ettore Scola e por aí vai, para contar uma história de forma cômica, mas deixando um sentimento amargo de quem ri da falta de caráter, sentimentos e humanidade do ser humano.

O cinema italiano tem vários clássicos neste gênero, como FEIOS, SUJOS E MALVADOS, PERFUME DE MULHER e MEUS CAROS AMIGOS, apenas para citar três.

O REI DE ROMA conta a história de um bilionário romano (Marco Gialini muito bom) que vive conseguindo tudo o que quer as custas de subornos, farta distribuição de favores e muita corrupção. Um dia, em face de uma condenação por sonegação fiscal, é obrigado a passar um ano em um centro comunitário como parte de seu acordo para não ser preso.

Ali vai conhecer uma grande quantidade de pessoas pobres e necessitadas com as quais tem extrema dificuldade em conviver pela absoluta diversidade de realidades entre suas vidas. Então, imagina uma forma de sair logo dali, naturalmente distribuindo dinheiro.

No elenco de O REI DE ROMA estão Elio Germano, Eleonora Danco, Marcello Fonte, Luciano Curreli e Mimmo Epifani.

Claro que há muitas situações engraçadas na narrativa, principalmente pelos contrastes evidentes entre o mundo do milionário e a pobreza extrema de seus novos “amigos”.

O REI DE ROMA, sem pretender ser um clássico ou chegar próximo ao nível de seus antecessores célebres, consegue divertir e deixar reflexões ao espectador, na melhor tradição da cinematografia italiana. Vale a pena ser visto.

Danielle Luchetti’s IO SONO TEMPESTA is inspired by the best Italian dramatic comedies of the masters like Dino Risi, Mario Monicelli, Ettore Scola and so on, to tell a story in a comic way, but leaving a bitter feeling of who laughs of the lack of character, feelings and humanity of our society.

The Italian cinema has several classics in this genre, such as BRUTTI, SPORCHI I CATTIVI, PROFUMO DI DONNA (SCENT OF A WOMAN) and AMICI MIEI, just to name three.

IO SONO TEMPESTA tells the story of a Roman billionaire (Marco Gialini very good) who lives by getting everything he wants at the expense of bribes, a lot of favors and a lot of corruption. One day, in the face of a tax evasion conviction, he is required to spend a year in a community center as part of his agreement not to be arrested.

There he will meet a lot of poor and needy people with whom he has extreme difficulty in living because of the absolute diversity of realities between their lives. So, he figures a way to get out of there, of course, by handing out money.

In the cast of IO SONO TEMPESTA are Elio Germano, Eleonora Danco, Marcello Fonte, Luciano Curreli and Mimmo Epifani.

Of course, there are many funny situations in the narrative, mainly because of the obvious contrasts between the millionaire world and the extreme poverty of his new “friends.”

IO SONO TEMPESTA, without pretending to be a classic or coming close to the level of its celebrated predecessors, manages to amuse and leave reflections to the viewer, in the best tradition of Italian cinematography. Worth seeing.

SWEETBITTER: Série do STARZ Sobre Gastronomia, Paixões e Vida em New York

“Life happens while you wait.” (A vida acontece enquanto você espera) Este é o slogan publicitário da série SWEETBITTER (algo como “Agridoce”) que já diz sobre o que vai ser a narrativa da vida de uma menina que sai de sua pequena cidade no interior para se aventurar em Nova Iorque. Logo que chega, ela tem que vender seu carro usado para poder alugar um apartamento, mas consegue um emprego em um restaurante top da cidade, pelas respostas pouco ortodoxas que deu ao dono na entrevista.

O que era para ser um emprego temporário termina envolvendo a jovem Tess (Elle Purnell vista em CHURCHILL e O LAR DAS CRIANÇAS PECULIARES) que se apaixona pelo lugar, pelas comidas, prelos vinhos e, sobretudo pela equipe diversificada de colegas de trabalho, todos jovens vivendo em alta rotação na cidade que nunca dorme.

A linda atriz Caitlin FitzGerald (que foi Libby Masters, a esposa de Michael SheenDr. Arthur Masters – na série da HBO MASTERS OF SEX) faz Simone, uma espécie de gerente do restaurante com poder de vida e morte sobre todos, em face de seu conhecimento diferenciado sobre a casa, o dono, vinhos e gastronomia.

A “gurizada” do restaurante espelha a diversidade da vida atual. Há pessoas de todas as origens, raças, religiões, classes e filosofias de vida, compondo um mosaico para lá de fascinante que hipnotiza a jovem Tess desde o início. Destaques para Gabriel Gutierrez (Manny), Tom Sturridge (Jake), Evan Jonigkeit (Will) e o excelente Paul Sparks (o escritor de HOUSE OF CARDS, visto também em THE NIGHT OF e GAME OF THRONES) como o proprietário do restaurante.

Misturando cenas sensacionais sobre alta gastronomia, o funcionamento de um restaurante top e a confusão emocional e profissional dos jovens da equipe, SWEETBITTER traz os seis episódios da primeira temporada de uma maneira que a gente vê num impulso, igualmente fascinados com o que está na tela.

Não vejo a hora de voltar ao restaurante de SWEETBITTER em sua segunda temporada acompanhando a vida da jovem Tess e sua turma.

“Life happens while you wait.” This is the advertising slogan of the series SWEETBITTER that already says everything about what will be the narrative of the life of a girl who leaves her small town in the countryside to venture in New York. As soon as she arrives, she has to sell her used car to be able to rent an apartment, but she gets a job at a top restaurant in town thanks to the unorthodox answers she gave the owner at the interview.

What was meant to be a temporary job ends up involving the young Tess (Elle Purnell seen in CHURCHILL and MISS PEREGRINE HOME OF PECULIAR CHILDREN) who falls in love with the place, food, wine and especially by the diverse team of co-workers , all young people living high in the city that never sleeps.

Beautiful actress Caitlin FitzGerald (who was Libby Masters, Michael Sheen’s wife – Dr. Arthur Masters – in the HBO series MASTERS OF SEX) makes Simone, a kind of restaurant manager with life-and-death power over all , in the face of her differentiated knowledge about the house, the owner, wine and gastronomy.

The restaurant’s team reflects the diversity of today’s life. There are people of all origins, races, religions, classes and philosophies of life, composing a fascinating mosaic beyond that hypnotizes the young Tess from the beginning. Highlights for Gabriel Gutierrez (Manny), Tom Sturridge (Jake), Evan Jonigkeit (Will) and the excellent Paul Sparks (HOUSE OF CARDS writer, also seen in THE NIGHT OF and GAME OF THRONES) as the owner of the restaurant.

Blending sensational scenes about high cuisine, a top-notch restaurant, and the emotional and professional confusion of the team’s youth, SWEETBITTER brings the six episodes of the first season in a way that we see on impulse, equally fascinated by what is on the screen.

I can not wait to go back to SWEETBITTER’s restaurant in its second season following the life of young Tess and her gang.