Assim como os campeonatos de futebol tem o campeão do primeiro turno, na minha opinião, DUNQUERQUE, de Christopher Nolan é o melhor filme de 2017, até agora.

O gênero dos filmes de guerra já gerou clássicos indiscutíveis, como GLÓRIA FEITA DE SANGUE, de Stanley Kubrick, INFERNO 17, de Billy Wilder, ASSIM CAMINHA A HUMANIDADE, de Fred Zinemann, A PONTE DO RIO KWAI e LAWRENCE DA ARÁBIA, de David Lean, OS CANHÕES DE NAVARONE, de J. Lee Thompson, FUGINDO DO INFERNO, de John Sturges, A CRUZ DE FERRO, de Sam Peckimpah, APOCALIPSE NOW, de Francis Coppola, A LISTA DE SCHINDLER, de Steven Spielberg, entre muitos outros.

Nolan se debruçou sobre o episódio da retirada de 300 mil homens do exército inglês da praia de Dunquerque, na costa francesa, no início da Segunda Guerra Mundial, para fazer um filme antológico sobre os valores humanitários.

Tudo no filme se encaixa perfeitamente. A escolha de três narrativas simultâneas: ar, mar e terra. O elenco primoroso (Tom Hardy, Mark Rylance, Kenneth Bragnah, Tom Nolan, James Darcy, Cillian Murphy…) traz uma dúzia de interpretações memoráveis de atores entre jovens e veteranos.

A parte técnica do filme é simplesmente impecável. Imagem e som são perfeitos.

DUNQUERQUE é muito mais que um filme de guerra. É um filme sobre a teimosia da espécie humana em sobrepujar dificuldades inimagináveis com uma resiliência única inspirada em valores nascidos sabe-se lá onde.

DUNQUERQUE é, acima de tudo, emocionante.

Um grande filme.

 

 

Just like the football championships have their first round champion, in my opinion, Christopher Nolan’s DUNKIRK is the best movie of 2017 so far.

The genre of war films has already made undisputed classics, such as Stanley Kubrick’s PATHS OF GLORY, STALAG 17, by Billy Wilder, FROM HERE TO ETERNITY, by Fred Zinemann, THE BRIDGE OF KWAI RIVER and LAWRENCE OF ARABIA, both by David Lean, THE GUNS OF NAVARONE, by J. Lee Thompson, THE GREAT ESCAPE, by John Sturges, THE IRON CROSS, by Sam Peckimpah, APOCALYPSE NOW, by Francis Coppola, THE SCHINDLER LIST, by Steven Spielberg, among many others.

Nolan bent over the episode of the salvation of 300,000 men from the English army at Dunkirk Beach in the French coast at the beginning of World War II, to make an anthological film about humanitarian values.

Everything in the movie fits perfectly. The choice of three simultaneous narratives: air, sea and land. The exquisite cast (Tom Hardy, Mark Rylance, Kenneth Bragnnah, Tom Nolan, James Darcy, Cillian Murphy …) brings a dozen memorable interpretations of actors among young and old.

The technical part of the film is simply flawless. Picture and sound are perfect.

DUNKIRK is much more than a war movie. It is a film about the stubbornness of the human species in overcoming unimaginable hardships with a unique resilience inspired by values ​​born in the heart.

DUNKIRK is, above all, exciting.

A great movie.