STAR WARS: OS ÚLTIMOS JEDI, do californiano Rian Johnson (34 anos) é um filmaço! Rico, inovador, primorosamente feito e acabado, o filme abre um sem número de possibilidades para os futuros filmes da franquia.

STAR WARS é uma série justamente idolatrada e cultuada no cinema, como nenhuma outra. Nestes últimos 40 anos, nenhuma série de filmes foi tão amada e tão discutida em seus detalhes (a até no que não faz), como os filmes da turma de Luke Skywalker, Han Solo, Leia Organa, C3PO, R2D2 e Chewbacca.

Desde a aquisição da Lucasfilm pela Disney, a franquia ganhou novos ares. O RENASCER DA FORÇA – EPISÓDIO VII era a retomada. Por isto, J.J.Abrahams optou por seguir as linhas da trilogia original. Fez um excelente filme, que os adoradores de STAR WARS amaram.

No ano passado, veio o primeiro dos spinoffs, ROGUE ONE, ingualmente fiel aos originais e, outra vez foi incensado com justiça.

Para o segundo episódio da nova trilogia, J.J.Abrahams confiou a direção a um jovem, com a nítida intenção de promover uma grande renovação das linhas de histórias e personagens, não somente para o último filme da trilogia, o EPISÓDIO IX, como para os vários que vêm por aí nos próximos anos e décadas.

Isto fez com que muitos ardorosos fãs torcessem o nariz para o filme. Compreensível, mas injustificado. Claro que o filme não é perfeito, porque raramente um filme é.

OS ÚLTIMOS JEDI têm muitas e muitas possibilidade de leitura e níveis de reflexão, todos muito bem desenvolvidos. Os personagens de Rey, Kylo e, principalmente Luke, têm histórias, cenas e oportunidades únicas de serem aprofundados de modo brilhante. Ficam riquíssimos neste novo filme.

O visual do filme é de tirar o fôlego em muitos momenos, como acena dos espelhos, a luta na câmara de Snoke e o duelo no planeta salgado.

Mark Hammil e Carrie Fisher têm, de longe, suas melhores interpretações. Acho que vão ser premiados. Infelizmente Carrie Fisher, de forma póstuma.

A inglesinha Daisy Ridley segue sendo uma surpresa agradável por sua força, protagonismo e beleza, com apenas 25 anos.

Estão lançadas as bases do EPISÓDIO IX (que vai ser dirigido outra vez por J.J.Abrahams, uma garantia de qualidade) e as próximas gerações, com a genial ideia dos meninos rebeldes.

STAR WARS: OS ÚLTIMOS JEDI vai ganhar um lugar de honra na série. É um grande filme.

 

STAR WARS: THE LAST JEDI, from Californian Rian Johnson (34 years old) is a big hit! Rich, innovative, exquisitely done and finished, the film opens up a great number of possibilities for the future films of the franchise.

STAR WARS is a series justly loved and culted in the movies, like no other. In these last 40 years, no series of films have been so loved and discussed in detail (as in what it does not), such as the films of Luke Skywalker, Han Solo, Leia Organa, C3PO, R2-D2 and Chewbacca.

Since the acquisition of Lucasfilm by Disney, the franchise has gained new heights. The FORCE AWAKENS – EPISODE VII was the resumption. For this, J.J.Abrahams chose to follow the lines of the original trilogy. He made an excellent movie, which the STAR WARS public loved.

Last year, came the first of the spinoffs, ROGUE ONE, equally faithful to the originals and, again, was incensed with justice.

For the second episode of the new trilogy, JJAbrahams entrusted the direction to a young man, with the clear intention to promote a great renovation of the lines of stories and carachters, not only for the last film of the trilogy, EPISODE IX, as for the several that will come in the coming years and decades.

This made many ardent fans wring their nose into the film. Understandable, but unjustified. Of course the movie is not perfect, because rarely a movie is perfect.

THE LAST JEDI has many possibilities for reading and levels of reflection, all very well developed. The characters of Rey, Kylo and, especially Luke, have unique stories, scenes and opportunities to be brilliantly deepened. They are very rich in this new film.

The look of the film is breathtaking in many ways, like the scene of the mirrors, the fight in Snoke’s chamber and the duel on the salty planet.

Mark Hammil and Carrie Fisher have by far their best interpretations. I think they’ll be honored. Unfortunately, Carrie Fisher posthumously.

The Brittish Daisy Ridley continues to be a pleasant surprise for her strength, protagonism and beauty at the age of 25.

The foundations of EPISODE IX (to be directed again by J.J.Abrahams, a quality guarantee) are laid, and the next generations, with the brilliant idea of ​​the rebellious boys.

STAR WARS: THE LAST JEDI will win a place of honor in the series. It’s a great movie.