O DESTINO DE UMA NAÇÃO (DARKEST HOUR), de Joe Wright tem como seu principal mérito, proporcionar ao extraordinário Gary Oldman uma daquelas interpretações antologias, que a gente vê de cinco em cinco anos no cinema.

O Winston Churchill de Oldman entra na galeria dos personagens inesquecíveis, parâmetro para futuras interpretações de figuras históricas. Sua linguagem corporal, gestos, resmungos e olhares são absolutamente perfeitos. Ele é o filme.

Senti muita falta do personagem de esposa de Churchill, Clemmie, vivida pela também excelente Kristin Scott Thomas, que ficou reduzida a uma figuração. Acho que o personagem e a atriz mereciam um destaque muito maior do que receberam. Achei uma falha grave do filme.

Pior é isto ter ocorrido em um filme de Joe Wright, cineasta que tinha dado à atriz Keira Knightley seus três grandes personagens, em ORGULHO E PRECONCEITO, DESEJO E REPARAÇÃO e ANNA KARENINA.

Também, na minha opinião, faltaram cenas mais emocionantes. Achei a narrativa muito quadrada e burocrática.

Fora de série no filme, só mesmo Gary Oldman e seu Churchill.

 

Joe Wright’s DARKEST HOUR has as its main merit, to provide the extraordinary Gary Oldman with one of those anthological interpretations that we see every five years in the movies.

Oldman’s Winston Churchill enters in the gallery of unforgettable characters, a parameter for future interpretations of historical figures. His body language, gestures, grunts and looks are absolutely perfect. He is the movie.

I missed the character of Churchill’s wife, Clemmie, lived by the excellent Kristin Scott Thomas, who was reduced to a figuration. I think the character and the actress deserved a greater prominence than they received. I found this mistake a serious flaw in the movie.

Worse is this occurred in a film by Joe Wright, filmmaker who had given actress Keira Knightley her three great characters, in PRIDE AND PREJUDICE, ATONEMENT and ANNA KARENINA.

Also, in my opinion, the film lacks of  more touching scenes. I found the narrative very square and bureaucratic.

Outstanding in the film, only Gary Oldman and his Churchill.