O NOW da NET traz em seu catálogo de lançamento do drama de tribunal O TERCEIRO ASSASSINATO (Sandome no Satsujin – 2017), de Hirokazu Koreeda, um filme na legítima tradição dos melhores filmes do gênero, como TESTEMUNHA DE ACUSAÇÃO, O VEREDITO, JULGAMENTO DE NUREMBERG, DOZE HOMENS E UMA SENTENÇA, O SOL É PARA TODOS e QUESTÃO DE HONRA.

O mais interessante é que toda a narrativa (inclusive o julgamento), por óbvio, é feito no ritmo de um filme japonês, sem as cenas e viradas que estamos acostumados dos filmes ocidentais. Os 124 minutos do filme parecem ter três horas, porque tudo é feito lentamente e com muitos silêncios e contemplações. Apenas isto já tornaria O TERCEIRO ASSASSINATO um filme extremamente atrativo.

Ocorre que o roteiro narra a história de um homem que confessa um assassinato bárbaro e, quando inicia a ser entrevistado por seu advogado de defesa, passa a contar várias versões diferentes do crime, colocando em dúvida seu defensor, até mesmo sobre sua culpa.

Ver o passo a passo do drama do advogado Shigemori – entre os rígidos padrões éticos e legais japoneses e seu dever de lealdade ao cliente – resulta em um filme superior.

O elenco central traz interpretações magníficas, como as de Masaharu Fukuyama (Advogado Shigemori) e Kôshi Yakusho (o assassino Misumi).

O TERCEIRO ASSASSINATO ganhou os principais prêmios da Academia Japonesa de Cinema em 2018 e foi indicado ao Leão de Ouro no Festival de Veneza deste ano.

É realmente um filme que vale muito a pena ser visto, especialmente para os admiradores de um excelente drama de tribunal.

 

NET NOW features in its release catalog  THIRD MURDER, by Hirokazu Koreeda’s  a court room drama in the legitimate tradition of the best films of the genre, such as WITNESS FOR THE PROSECUTION, THE VERDICT, JUDGMENT OF NUREMBERG, TWELVE ANGRY MEN, TO KILL A MOCKYNBIRD and A FEW GOOD MEN.

Interestingly, the entire narrative (including the trial), of course, is made in the rhythm of a Japanese movie, without the scenes and twists we are accustomed to from Western movies. The 124 minutes of the movie seem to have three hours, because everything is done slowly and with many silences and contemplations. This alone would make THE THIRD MURDER an extremely attractive film.

It turns out that the script tells the story of a man who confesses to a barbaric murder, and when he starts being interviewed by his defense lawyer, he goes on to tell several different versions of the crime, casting doubt on his defender, even his guilt.

Seeing Shigemori’s drama step-by-step – between Japan’s rigid ethical and legal standards and his duty of loyalty to his client – results in a superior film.

The central cast brings magnificent interpretations, such as those of Masaharu Fukuyama (Lawyer Shigemori) and Kôshi Yakusho (the assassin Misumi).

THE THIRD MURDER won the top prizes at the Japanese Film Academy in 2018 and was nominated for the Golden Lion at this year’s Venice Film Festival.

It really is a movie that is worth seeing, especially for the admirers of an excellent court drama.