O SOL É PARA TODOS (To Kill a Mockingbird) é não somente um dos maiores filmes de todos os tempos como legou o personagem de Atticus Finch(Gregory  Peck no filme) como um ícone. A adaptação do livro de Harper Lee feita por Aaron Sorkin (Newsroom) é criativa, plástica e contundente. Jeff Daniels se sai extremamente bem no complexo papel do protagonista Atticus Finch, fazendo um trabalho cheio de nuances. O expediente cênico de usar três narradores (em vez de apenas a filha de Atticus, Scout) também funciona muito bem. O mais incrível é que, embora a história do julgamento de um negro injustamente acusado de estupro se passar na década de 40, os temas abordados não podem ser mais atuais. To Kill a Mockingbird segue sendo sobre os pecados de todos nós.

To Kill a Mockingbird is not only one of the greatest films of all time as give us all the character of Atticus Finch (Gregory Peck in the film) as an icon. The adaptation of Harper Lee’s book by Aaron Sorkin (Newsroom) is creative, plastic and blunt. Jeff Daniels does extremely well in the complex role of the protagonist Atticus Finch, doing a job full of nuances. The scenic expedient of using three narrators (instead of just the daughter of Atticus, Scout) also works very well. What is even more incredible is that although the story of the trial of a black man unjustly accused of rape is in the 1940s, the topics covered can not be more current. To Kill a Mockingbird remains about the sins of all of us.