EXPRESSO DO AMANHÃ: O Oscarizado Bong Joon Ho Já Mostrava Talento e Criatividade em Distopia Violenta

Em função do extraordinário PARASITA, fui atrás dos filmes anteriores do agora famosos cineasta sul coreano, Bong Joon Ho. O primeiro que achei foi O EXPRESSO DO AMANHÃ (SNOWPIECER), uma distopia futurista feita em 2013, contando a história dos humanos sobreviventes a um desastre ambiental que congelou a Terra e matou quase toda a população. O filme é baseado nas histórias em quadrinhos francesa LE TRANSPERCINEIGE.

Os sobreviventes são colocados em um super trem (uma espécie de Arca de Noé) que fica circulando ininterruptamente pelas terras congeladas. A grande sacada do filme é que o super trem é dividido pela classe social dos ocupantes. A imensa maioria dos passageiros fica isolada na parte final do trem, em condições miseráveis e alimentados unicamente por barras de proteína de aspecto e gosto repulsivo.

Na parte da frente do trem, a elite dominante, chefiada pelo bilionário que inventou e construiu o trem e o aparato de segurança que sustenta a convivência nada pacífica.

Um dos desvalidos inicia um plano de revolta que pretende chegar à parte da frente do trem. Os conflitos latentes desde o início explodem em uma onda de violência que o filme em momento algum se furta em mostrar em detalhes extremamente gráficos.

O Capitão América da MARVEL, Chris Evans vive Curtis, o líder dos rebeldes. Ao lado dele estão o cerebral e paralítico Gilliam (John Hurt, ótimo ator inglês falecido em 2017), a vingativa Tanya (a excelente atriz Octavia Spencer) e o jovem Edgar (também um ator de qualidade Jamie Bell de BILLY ELLIOT). Eles são guiados pela dupla Namgoong Misoo (o ator sul coreano Kang-ho Song visto em PARASITE) e a menina Yona (Ko Asung).

No lado oposto (a frente do trem) estão o milionário Wilford (Ed Harris), sua excepcional porta voz Mason (a superlativa atriz Tylda Swinton irreconhecível) e a jovem professora vivida pela atriz Allison Pill (NEWSROOM).

Muito mais que a história de ação que se estabelece, a alegoria da luta de classes dentro de um trem, a ambição de ascensão e os planos para manter o “status quo” fazem do filme uma muito interessante obra cinematográfica.

O EXPRESSO DO AMANHÃ já mostrava o talento cinematográfico de Bong Joon Ho, capaz de criar uma fábula inteligente e poderosa. Mesmo sem ter a excelência de PARASITE, o filme tem muita coisa digna de ser vista, especialmente para quem deseja conhecer a obra de um cineasta muito acima da média vindo da Coreia do Sul.

Due to the extraordinary PARASITE, I went after previous films by the now famous South Korean filmmaker, Bong Joon Ho. The first one I found in AMAZON Prime Video was SNOWPIECER, a futuristic dystopia made in 2013, telling the story of humans surviving an environmental disaster that froze the Earth and killed almost the entire population. Thge movie is based in the French comic novel LE TRANSPERCINEIGE.

The survivors are placed in a super train (a type of Noah’s Ark) that is circulating uninterruptedly through the frozen lands. The great thing about the film is that the super train is divided by the social class of the occupants. The vast majority of passengers are isolated at the end of the train, in miserable conditions and fed only by protein bars of repulsive appearance and taste.

At the front of the train, the dominant elite, led by the billionaire who invented and built the train and the security apparatus that sustains the non-peaceful coexistence.

One of the underdogs initiates a plan of revolt that aims to reach the front of the train. The latent conflicts since the beginning then explode in a wave of violence that the film never fails to show in extremely graphic details.

The MARVEL Captain America, Chris Evans plays Curtis, the leader of the rebels. Beside him are cerebral and paralyzed Gilliam (John Hurt, a great English actor who died in 2017), the vindictive Tanya (the excellent actress Octavia Spencer) and young Edgar (also a quality actor Jamie Bell from BILLY ELLIOT). They are guided by the duo Namgoong Misoo (the South Korean actor Kang-ho Song seen in PARASITE) and the girl Yona (Ko Asung).

On the opposite side (the front of the train) are millionaire Wilford (Ed Harris), his exceptional spokeswoman Mason (the superlative actress Tylda Swinton unrecognizable) and the young teacher played by actress Allison Pill (NEWSROOM).

Much more than the established history of action, the allegory of the class struggle on a train, the ambition to rise and the plans to maintain the “status quo” make the film a very interesting cinematographic work.

SNOWPIECER already showed the cinematic talent of Bong Joon Ho, capable of creating an intelligent and powerful fable. Even without having the excellence of PARASITE, the film has a lot worth seeing, especially for those who want to know the work of a filmmaker far above the average coming from South Korea.

Anúncios

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.