NEGRO BUENOS AIRES: Ufa! Existe Filme Argentino Ruim

Já faz algum tempo que é difícil achar um filme argentino ruim. NEGRO BUENOS AIRES, produção hispano-argentina exibida na Amazon brasileira veio ser a exceção que confirma a regra. Rodado em 2010, pelo cineasta espanhol Ramón Termes, o filme conta a história de um executivo catalão – em fase difícil da vida pós separação litigiosa de ex-mulher – recebe a missão de ir a Buenos Aires conseguir um contrato milionário com o Governo Argentino. Ocorre que o País está em meio a uma das maiores crises de seu governo, com os depósitos bancários congelados, muitas manifestações nas ruas, violência policial desenfreada e problemas por todos os lados.

Jordi Puigmarti (o ator catalão Francesc Marti) se envolve com um escroque local e uma prostituta ucraniana, que o convencem que o único meio de ter êxito é subornar um ministro do Governo com um milhão de dólares.

A partir daí, a situação somente piora, com traições de todos os lados, corrupção sem freios e pessoas enganando o espahol a cada situação, para lhe roubar o dinheiro.

Daniel Faraldo, a ucraniana Natasha Yarovenko (belíssima como se viu em UM QUARTO EM ROMA), Julieta Diaz, Jordi Dauder e a argentina Ingrid Grudke formam o elenco.

Justamente o ponto forte dos filmes argentinos, roteiros muito bem escritos e histórias exemplarmente desenvolvidas falta em NEGRO BUENOS AIRES. A história tem cenas forçadas, coisas óbvias de se antecipar, e um twist final que todo mundo já sabe que vai acontecer.

O diretor Termes foi infeliz nas cenas que produziu oscilando entre tomadas muito feias de Buenos Aires e cenas de tensão mal pensadas e filmadas.

Na minha opinião, NEGRO BUENOS AIRES ficou longe do que pretendia ser. Faltou muito.

For some time now, it has been difficult to find a bad Argentine film. NEGRO BUENOS AIRES, Hispanic-Argentine production came to be the exception that confirms the rule. Shot in 2010, by Spanish filmmaker Ramón Termes, the film tells the story of a Catalan executive – in a difficult phase of his post-litigious separation from ex-wife – is tasked with going to Buenos Aires to win a millionaire contract with the Argentine Government. It turns out that the country is in the midst of one of the biggest crises of its government, with frozen bank deposits, many demonstrations on the streets, rampant police violence and problems on all sides.

Jordi Puigmarti (Catalan actor Francesc Marti) gets involved with a local crook and a Ukrainian prostitute, who convince him that the only way to succeed is to bribe a government minister with a million dollars.

From then on, the situation only worsens, with betrayals on all sides, corruption without brakes and people deceiving the espahol in each situation, to steal his money.

Daniel Faraldo, Ukrainian Natasha Yarovenko (beautiful as seen in A ROOM IN ROME), Julieta Diaz, Jordi Dauder and Argentine Ingrid Grudke form the cast.

Precisely the strong point of Argentine films, very well written scripts and exemplarily developed stories are missing in NEGRO BUENOS AIRES. The story has forced scenes, obvious things to anticipate, and a final twist that everyone already knows will happen.

Director Termes was unhappy in the scenes he produced, oscillating between very ugly shots of Buenos Aires and scenes of tension badly thought out and filmed.

In my opinion, NEGRO BUENOS AIRES was far from what it intended to be. It was very much missing.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.