ALLEN VS. FARROW: Documentário Original da HBO Iniciou Parcial Demais

Vi o primeiro dos quatro capítulos da série original da HBO ALLEN VS. FARROW, dirigido pelos premiados documentaristas Kirby Dick e Amy Ziering.

Na minha opinião, o primeiro episódio já demonstrou uma parcialidade demasiada dos realizadores na interminável polêmica de anos entre Mia Farrow e Woody Allen, envolvendo as acusações de abuso sexual sobre a filha adotiva do casal Dylan Farrow, na época com 7 anos de idade.

Curiosamente, tendo o primeiro episódio estreado ontem nos Estados Unidos, Woody Allen e Soon-Yi Previn publicaram uma declaração repudiando o documentário como sendo uma série de mentiras reiteradamente veiculadas por Mia Farrow e seus filhos.

A versão de Woody Allen sobre os fatos e acusações é dado apenas na apresentação de trechos de sua autobiografia A PROPÓSITO DE NADA. A editora do livro já anunciou que vai processar a HBO e os diretores por uso não autorizado de trechos da obra.

Em sentido contrário, os depoimentos de Dylan Farrow Previn, Mia Farrow e suas amigas são amplos, extensos e reiterados.

Até onde um documentário tem a obrigação de imparcialidade?

Trata-se de uma bela discussão. Um documentário pode ser propositadamente parcial em uma história polêmica sustentada por duas versões diametralmente antagônicas?

Eu – depois de ver e ler muitas matérias sobre a polêmica – tendo a achar que as acusações são, no mínimo exageradas. Afinal inúmeras autoridades norte-americanas se debruçaram sobre o caso e ele nunca foi adiante.

De qualquer sorte, vou ver os demais capítulos para fazer meu juízo definitivo sobre o trabalho de Dick e Ziering. A contundência do material e a violência das acusações justificam.

I saw the first of the four chapters of the original HBO ALLEN VS. FARROW, directed by award-winning documentary filmmakers Kirby Dick and Amy Ziering.

In my opinion, the first episode has already shown too much bias from the filmmakers in the endless polemic of years between Mia Farrow and Woody Allen, involving accusations of sexual abuse over the adopted daughter of the couple Dylan Farrow, then 7 years old. age.

Interestingly, having the first episode premiered yesterday in the United States, Woody Allen and Soon-Yi Previn published a statement repudiating the documentary as a series of lies repeatedly aired by Mia Farrow and her children.

Woody Allen’s version of the facts and accusations is given only in the presentation of excerpts from his autobiography APROPOS OF NOTHING. The editors of the book already announced that they will suit HBO and the directors for unauthorized use of the book content.

Conversely, the testimonies of Dylan Farrow Previn, Mia Farrow and their friends are wide, extensive and repeated.

How far does a documentary have an obligation of impartiality?

This is a beautiful discussion. Can a documentary be purposefully partial in a controversial story supported by two diametrically antagonistic versions?

I – after seeing and reading many stories about the controversy – tend to think that the accusations are, to say the least, exaggerated. After all, countless American officials have looked into the case and he never went ahead.

Anyway, I will see the other chapters to make my final judgment about the work of Dick and Ziering. The forcefulness of the material and the violence of the accusations justify it.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.