MORRER MIL VEZES: Um Thriller em que Tudo Deu Errado

No melhor estilo Bristol (um cinema que virou cult em Porto Alegre exibindo ciclos de filmes com mesma temática, atores, diretores ou personagens), fui atrás do outro filme com o ex-policial Matt Scudder, criação do escritor Lawrence Block.

Incrivelmente, MORRER MIL VEZES é ainda pior que A WALK AMONG THE TOMBSTONES, com Liam Neeson, que comentei ontem.

Vale a pena uma nota sobre o título brasileiro do filme. Como 8 MILLION WAYS TO DIE virou MORRER MIL VEZES? Trata-se de um dos maiores mistérios dos titulos nacionais.

Foi o último filme de um excelente cineasta, o prolífico e sensível Hal Ashby, autor dos excelentes NO CALOR DA NOITE, ENSINA-ME A VIVER, MUITO ALÉM DO JARDIM e do rumoroso AMARGO REGRESSO. MORRER MIL VEZES não mereceu sua assinatura.

Jeff Bridges (normalmente um ótimo ator) vive Matt Scudder, um policial que deixou a força em face de um incidente onde matou um traficante na frente da esposa e seus quatro filhos. Até a causa da desistência de Scudder da Polícia foi alterada para pior (no original uma ação dele contra bandidos resultara na morte de uma menina.

O filme é gritado demais, há cenas inteira em que os personagens se limitam a gritar “fuck” um para o outro. E olha que o roteiro é assinado por ninguém menos que Oliver Stone, usualmente um ótimo criador de histórias.

No elenco, além de Bridges, Rossana Arquette (muito linda), um jovem Andy Garcia (caricato como o drug dealer), Alexandra Paul, Randy Brooks e James Avery.

O filme, visto tantos anos depois de seu lançamento (1986) é muito decepcionante. Tendo nomes como Ashby, Stone e Bridges, se esperava algo muito melhor. Uma pena.

In the best Bristol style (a movie theater that became cult in Porto Alegre exhibiting cycles of films with the same theme, actors, directors or characters), I went after the other film with ex-policeman Matt Scudder, created by the writer Lawrence Block.

Incredibly, 8 MILLIONS WAY TO DIE is even worse than A WALK AMONG THE TOMBSTONES, with Liam Neeson, which I commented on yesterday.

It is worth a note about the Brazilian title of the film. How did 8 MILLION WAYS TO DIE become DIE A THOUSAND TIMES? It is one of the greatest mysteries of national titles.

It was the last film by an excellent filmmaker, the prolific and sensitive Hal Ashby, author of the excellent IN THE HEAT OF THE NIGHT, HAROLD AND MAUDE, BEING THERE and the bitter COMING HOME. 8 MILLIONS WAY TO DIE did not deserve his signature.

Jeff Bridges (usually a great actor) plays Matt Scudder, a police officer who left the force in the face of an incident where he killed a drug dealer in front of his wife and their four children. Even the cause of Scudder’s withdrawal from the police has been changed for the worse (in the original, his action against bandits had resulted in the death of a girl.

The film is screamed too much, there are scenes in which the characters just scream “fuck” at each other. And look that the script is signed by none other than Oliver Stone, usually a great story creator.

In the cast, besides Bridges, Rossana Arquette (very beautiful), a young Andy Garcia (weak as the drug dealer), Alexandra Paul, Randy Brooks and James Avery.

The film, seen so many years after its release (1986) is very disappointing. Having names like Ashby, Stone and Bridges, something much better was expected. A pitty.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.