O MUNDO NÃO É O BASTANTE: Um 007 Com Muita Coisa Ousada e Interessante

Gosto muito do filme que o cineasta Michael Apted fez em 1999 para a franquia 007, intitulado O MUNDO NÃO É O BASTANTE.

Houve uma fase (no final da personificação de James Bond por Roger Moore) em que uma certa padronização atingiu os roteiros dos filmes, que pareciam iguais e sem quaisquer novidades.

A entrada de Pierce Brosnan já deu um certo ar de novidade em GOLDENEYE.

THE WORLD IN NOT ENOUGH arriscou bastante. O roteiro de Neal Purvis e Robert Wade foi longe em suas ousadias.

Por exemplo, fica no ar a possibilidade de M ser a mãe de Elektra King (Sophie Marceau maravilhosa), a filha do milionário Robert King (David Calder), com quem M teve um affair no passado. A chefe do Serviço Secreto Britânico teve amantes? Uau!

Depois de resolver o rapto de Elektra King, James Bond tem com ela uma tórrida relação amorosa. As cenas de sexo são um tom mais acima que as usuais nos filmes de 007. Há toques de S&M claros no amor da dupla.

Mais adiante no filme, se revela que a Senhorita King estava sob a influência do mega vilão Renard (o ótimo Robert Carlyle). Por sinal Renard tem uma bala em seu cérebro o que o torna alguém viciado em dor.

O filme vai além. Há perversões, tapas e beijos, torturas sexuais, e outras ousadias pouco comuns nos comportados filmes ingleses.

Vale a pena rever THE WORLD IS NOT ENOUGH. Você vai perceber uma pimenta temperando a história.

I really like the film that filmmaker Michael Apted made in 1999 for the 007 franchise, entitled THE WORLD IS NOT ENOUGH.

There was a phase (at the end of the personification of James Bond by Roger Moore) when a certain standardization reached the scripts of the films, which seemed the same and without any news.

The entry of Pierce Brosnan has already given a certain air of novelty in GOLDENEYE.

THE WORLD IN NOT ENOUGH – third time of Brosnan as 007 – took a lot of risks. The script by Neal Purvis and Robert Wade went a long way in their daring.

For example, the possibility remains that M (Judi Dench) is the mother of Elektra King (wonderful Sophie Marceau), the daughter of millionaire Robert King (David Calder), with whom M had an affair in the past. Did the head of the British Secret Service have lovers? Wow!

After resolving the abduction of Elektra King, James Bond has a torrid loving relationship with her. The sex scenes are a shade higher than usual in 007 movies. There are clear touches of S & M in the love of the duo.

Later in the film, it is revealed that Miss King was under the influence (Stockholm Syndrome) of the mega villain Renard (the great Robert Carlyle). By the way Renard has a bullet in his brain which makes him addicted to pain.

The film goes further. There are perversions, slaps and kisses, sexual tortures, and other audacities that are uncommon in the well-behaved English films.

The WORLD IS NOT ENOUGH is worth reviewing. You will notice a pepper peppering the story.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.