A ILHA DA FANTASIA: Longa Metragem Baseado na Série é Bem Ruinzinho

Eu gostava muito da série A ILHA DA FANTASIA. Todo sábado estava de prontidão na frente da TV para ver as aventuras do Sr. Roarke (o mexicano Ricardo Montalban mais canastrão do que nunca) e seu lugar tenente Tattoo (Hervé Villechaize) proporcionando as fantasias de seus hóspedes.

Acho que foi por isso que hesitei muito em ver o longa metragem da BLUMHOUSE (o estúdio dos filmes de terror da moda) produziu e o cineasta Jeff Wadlow fez em 2020. Mas um dia destes o filme estava iniciando na HBO e me arrisquei a ver. Meus temores eram fundados.

A premissa da ILHA DA FANTASIA original, segundo a qual, ao se deparar com suas fantasias as pessoas passavam a valorizar a vida que já tinham era limítrofe de uma visão moralista da vida, mas na série tudo era meio exagerado e simplista mesmo.

Aqui no filme, há um certo tom condenatório às fantasias dos hóspedes, como uma frase do novo Mr.Roarke que todas as fantasias tem a ver com sexo. Nesta linha, quase todos os hóspedes que desejavam por fantasias ousadas morreram de forma horrível como forma de punição “divina”.

Este ar de Sodoma e Gomorra (moralista ao extremo porque há pouquíssima nudez no filme) arrependido já seria suficiente para matar o filme.

Achei o elenco muito fraco. Tirando a havaiana Maggie Q, o americano Michael Peña e Lucy Hale, achei o grupo de atores e atrizes muito inexpressivo. Está certo que eles foram ajudados pelo roteiro muit previsível e cheio de furos.

Acho que o avião da ILHA DA FANTASIA original ia se recusar a pousar nesta ilha classe B.

I really liked the series FANTASY ISLAND. Every Saturday, I was in front of the TV to watch the adventures of Mr. Roarke (Mexican Ricardo Montalban worst than ever) and his place lieutenant Tattoo (Hervé Villechaize) providing the costumes of his guests.

I think that’s why I was so hesitant to see the feature film BLUMHOUSE (the trendy horror film studio) produced and filmmaker Jeff Wadlow made in 2020. But one day the film was starting on HBO and me I dared to see. My fears were founded.

The premise of the original FANTASY ISLAND, according to which, when faced with their fantasies, people started to value the life they already had was borderline to a moralistic view of life, but in the series everything was a bit exaggerated and simplistic. .

Here in the movie, there’s a certain damning tone to the guest fantasies, like a phrase by the new Mr.Roarke that all fantasies have to do with sex. In this line, almost all guests who wished for daring sex fantasies died horribly as a form of “divine” punishment.

This air of Sodom and Gomorrah (extremely moralistic because there is very little nudity in the film) repentant would be enough to kill the film.

I thought the cast was very weak. Apart from Hawaiian Maggie Q, American Michael Peña and Lucy Hale, I found the group of actors and actresses very inexpressive. Admittedly, they were helped by the very predictable and weak script.

I think the original FANTASY ISLAND plane was going to refuse to land on this class B island.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.