THE MORNING SHOW, Segunda Temporada: COVID, Namoros, Invejas e Egos Inflados

Dei uma “maratonada” nos capítulos da segunda temporada de THE MORNING SHOW, a série flagship da Apple TV+, estrelada por Jennifer Aniston e Reese Witherspoon, com duas âncoras de um noticiário matinal da TV Americana.

Eu já tinha achado a primeira temporada uma das mais talentosas séries de TV destes últimos anos. Uma produção impecável para mostrar por dentro, o mundo da televisão nestes tempos de tecnologia digital, império das redes sociais, Me Too e complexidades emocionais inéditas.

Pois a segunda temporada segue o curso traçado, agregando ainda mais temas atuais de grande relevância. O primeiro é a epidemia de COVID 19. A emissora manda uma equipe a Wuhan na China cobrir o início da tragédia, quando ainda parecia distante. Há uma cena da evacuação de Wuhan antes da quarentena, algo que eu ainda não tinha visto em séries de TV. Acho que ainda vai render muito drama pela frente.

O segundo tema é o da identidade de gênero. Os roteiristas tiveram a ousadia de mostrar uma relação amorosa entre a protagonista Bradley (Reese) e Laura (Juliana Margulies, a bem vinda atriz central de THE GOOD WIFE). Os conflitos das duas são muito bem expostos e descritos, desde a opção em se assumir gay ou não até as barreiras do preconceito mesmo nos dias de hoje.

O terceiro vértice da trama, o abusivo ex-âncora Mitch Kessler (Steve Carell, ótimo outra vez) está exilado na Itália. Além de ver as consequências globais do escândalo de seus abusos sexuais, vai encarar a COVID de frente. Vai ser pesado.

A TV por dentro. THE MORNING SHOW segue melhorando. Cada episódio aumenta de qualidade. Nesta segunda temporada teve até uma apresentação ao vivo da banda FOO FIGHTERS. Um luxo só.

I “marathoned” the episodes for the second season of THE MORNING SHOW, the flagship series on Apple TV+, starring Jennifer Aniston and Reese Witherspoon, with two anchors from an American TV morning program.

I had already found season one to be one of the most talented TV series in recent years. An impeccable production to show from within the world of television in these times of digital technology, social media empire, Me Too and unprecedented emotional complexities.

The second season follows the course outlined, adding even more current themes of great relevance. The first is the COVID 19 pandemic. The station sends a team to Wuhan in China to cover the beginning of the tragedy, when it still seemed far away. There’s a scene from Wuhan’s evacuation before quarantine, something I haven’t seen on TV series. I think it’s still going to yield a lot of drama ahead.

The second theme is gender identity. The writers had the audacity to show a loving relationship between protagonist Bradley (Reese) and Laura (Juliana Margulies, the welcome central actress of THE GOOD WIFE). The conflicts between the two are very well exposed and described, from the option to come out gay or not to the barriers of prejudice even today.

The third vertex of the plot, abusive ex-anchor Mitch Kessler (Steve Carell, great again) is in exile in Italy. In addition to seeing the global consequences of the scandal of his sexual abuse, he will face COVID head on. It will be heavy.

The TV inside. THE MORNING SHOW keeps getting better. Each episode increases in quality. In this second season there was even a live performance by the band FOO FIGHTERS. A luxury only.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.