THE CLUB. Série Turca Sobre Comunidade Sefaradi nos Anos 50 em Istambul.

O CONVIDADO DE HOJE DO CINEMARCO É MEU AMIGO ISAAC MENDA. ELE FAZ UMA EMOCIONANTE CRÔNICA SOBRE A SÉRIE THE CLUB.

O Netflix lançou recentemente uma série turca denominada The Club, mostrando o esplendor de Istambul no final dos anos 50. O curioso é que, além de ser falado em turco, também falam em ladino (dialeto dos judeus sefaradis que saíram da Espanha durante a Inquisição) e, em grego. O site eSefarad publicou comentário dessa série, por Haymi Behar e escrita em ladino. O ladino é um dialeto pouco conhecido, mas parecido com o espanhol. Com o passar dos anos foram mescladas palavras em turco e ainda é falado em algumas partes do mundo. Meus avós, por exemplo, que vieram da Turquia para o Brasil no início do século 20, falavam, exclusivamente, ladino e, ainda, acrescentavam palavras em francês, o que ocorre também na série. Assim, como curiosidade, publico o comentário de Haymi Behar em ladino, seguindo-se livre tradução. Espero que apreciem o texto e vejam a série. 

El muevo mini seria de sesh episodios en Netflix, El Klub, esta kontando la storia verdadera de dos mujeres judias en los anyos 1950s. La istoria esta pasando en Pera, Beyoğlu en su epoka de oro, kuando era normal de sintir la djente avlar Ladino, Grego i Ermenesko en las kayes de Estambol. La estoria se baza sovre la vida dramatika i difisil de Matilda Aseo i su ija Rashel. Matilda es  ija de Salomon Aseo ke era un gran ombre de echos ke perdyo todo su poder durante el Varlık Vergisi. Su ija Matilda ke era muy alta i ermoza se enamoro de un empyegado muy briyante de su padre. La seria esta kontando la vida de dos mujeres fuertes, Matilda i Rashel de la Kula, madre i ija, sovrebivir en un paiz ke se esta trokando muy presto.

Esta produksyon es unika i muy importante por el Ladino porke es la primera seria en el mundo ke konta la estoria de los Sefaradim en Estambol en el siglo 20 i ke muchas partes son en Ladino.

El Klub esta amostrando muy bueno la vida de la djente de Estambol de diferentes komunidades ke biven endjuntos komo vizinos, aunke no se mesklan entre eyos muncho. Ken save kuantos korasones se rompiyeron porke no akseptavan kulturalmente de kazarsen entre diferentes komunidades ma komo dize el grande eskritor, Shakespeare, “el korazon kere lo ke kere.”

El Klub esta amostrando muy bueno la vida de la djente de Estambol de diferentes komunidades ke biven endjuntos komo vizinos, aunke no se mesklan entre eyos muncho. Ken save kuantos korasones se rompiyeron porke no akseptavan kulturalmente de kazarsen entre diferentes komunidades ma komo dize el grande eskritor, Shakespeare, “el korazon kere lo ke kere.”

Miri a El Klub kon lágrimas en mis ojos, una estoria de amor kon pasion ke se bivio kon muncha difikulta, i una kultura en Estambol ke se perdió kaji totalmente oy. El Klub está azyendo un echo muy importante de kontar la istoria muestra de Estambol. La buena novela es ke van a amostrar 4 episodios mas en muy serka. 

Tradução livre

A nova mini série de seis episódios no Netflix, The Club, conta a história verdadeira de duas mulheres judias no anos 1950s que se passa em Pera, Beyoglu (Istambul) em sua época de ouro, quando era normal ver pessoas falando ladino, grego e romeno nas ruas de Istambul. A história se baseia sobre a vida dramática e difícil de Matilda Aseo e sua filha Rashel. Matilda é filha de Salomon Aseo que era um homem poderoso e rico que perdeu todo seu poder durante o Varlık Vergisi (Varlik Vergisi era um imposto cobrado principalmente de cidadãos não muçulmanos na Turquia a partir de 1942, com o objetivo declarado de arrecadar fundos para a defesa do país no caso de uma eventual entrada na Segunda Guerra Mundial). O imposto permaneceu por muitos anos e visavam milionários não-muçulmanos). Sua linda filha Matilda se apaixonou por um empregado de seu pai. A série conta a vida de duas mulheres fortes, Matilda e Rashel de Kula, mãe e filha sobrevivendo num país que se transformava muito rápido.

Esta produção é única e muito importante por causa do ladino, já que é a primeira série no mundo que conta a estória dos Sefaradis em Istambul no século 20 e que em muitas falas são em ladino.

The Club apresenta em detalhes a vida das pessoas de Istambul de diferentes comunidades que vivem juntos como vizinhos, ainda que não se misturassem entre eles. Quem sabe quantos corações se romperam por que não aceitavam culturalmente o casamento entre diferentes comunidades (muçulmanos e não muçulmanos). Mas como escreveu o grande escritor Shakespeare: “o coração quer o que quer”.

A série exibe Pera com toda sua riqueza, a vida cultural da época, com os cabarés, gazebos e cinemas. Num mundo que se transformava muito rapidamente depois da segunda guerra mundial, as políticas de “todos serem turcos”, as discriminações que fizeram aos não-muçulmanos e aos gregos e as condições que antecederam aos pogroms de 6 e 7 de setembro de 1955 contra a minoria grega de Istambul, conforme me contava meu avô.

Assisti The Club com lágrimas em meus olhos, uma história de amor com paixão que se viveu com muita dificuldade, numa cultura em Istambul que hoje não existe mais. The Club está fazendo um eco muito importante em narrar em história a nossa Istambul.

TODAY’S CINEMARCO GUEST IS MY FRIEND ISAAC MENDA. HE MAKES A THRILLING CHRONICLE ABOUT THE CLUB SERIES.

Netflix recently launched a Turkish series called The Club, showing the splendor of Istanbul in the late 1950s. Interestingly, in addition to being spoken in Turkish, they also speak in Ladino (dialect of Sephardic Jews who left Spain during the Inquisition) and in Greek. The eSefarad website has published commentary on this series, by Haymi Behar and written in rogue. Ladino is a little-known dialect, but similar to Spanish. Over the years Turkish words have been mixed and it is still spoken in some parts of the world. My grandparents, for example, who came from Turkey to Brazil at the beginning of the 20th century, spoke exclusively Ladino and also added words in French, which also occurs in the series. So, as a curiosity, I publish Haymi Behar’s commentary in ladino, followed by free translation. I hope you enjoy the text and see the series.

El muevo mini seria de sesh episodios en Netflix, El Klub, esta kontando la storia verdadera de dos mujeres judias en los anyos 1950s. La istoria esta pasando en Pera, Beyoğlu en su epoka de oro, kuando era normal de sintir la djente avlar Ladino, Grego i Ermenesko en las kayes de Estambol. La estoria se baza sovre la vida dramatika i difisil de Matilda Aseo i su ija Rashel. Matilda es  ija de Salomon Aseo ke era un gran ombre de echos ke perdyo todo su poder durante el Varlık Vergisi. Su ija Matilda ke era muy alta i ermoza se enamoro de un empyegado muy briyante de su padre. La seria esta kontando la vida de dos mujeres fuertes, Matilda i Rashel de la Kula, madre i ija, sovrebivir en un paiz ke se esta trokando muy presto.

Esta produksyon es unika i muy importante por el Ladino porke es la primera seria en el mundo ke konta la estoria de los Sefaradim en Estambol en el siglo 20 i ke muchas partes son en Ladino.

El Klub esta amostrando muy bueno la vida de la djente de Estambol de diferentes komunidades ke biven endjuntos komo vizinos, aunke no se mesklan entre eyos muncho. Ken save kuantos korasones se rompiyeron porke no akseptavan kulturalmente de kazarsen entre diferentes komunidades ma komo dize el grande eskritor, Shakespeare, “el korazon kere lo ke kere.”

El Klub esta amostrando muy bueno la vida de la djente de Estambol de diferentes komunidades ke biven endjuntos komo vizinos, aunke no se mesklan entre eyos muncho. Ken save kuantos korasones se rompiyeron porke no akseptavan kulturalmente de kazarsen entre diferentes komunidades ma komo dize el grande eskritor, Shakespeare, “el korazon kere lo ke kere.”

Miri a El Klub kon lágrimas en mis ojos, una estoria de amor kon pasion ke se bivio kon muncha difikulta, i una kultura en Estambol ke se perdió kaji totalmente oy. El Klub está azyendo un echo muy importante de kontar la istoria muestra de Estambol. La buena novela es ke van a amostrar 4 episodios mas en muy serka. 

Free translation

The new six-episode mini-series on Netflix, The Club, tells the true story of two Jewish women in the 1950s set in Pera, Beyoglu (Istanbul) in their golden age, when it was normal to see people talking rogue , Greek and Romanian on the streets of Istanbul. The story is based on the dramatic and difficult life of Matilda Aseo and her daughter Rashel. Matilda is the daughter of Salomon Aseo who was a powerful and wealthy man who lost all his power during the Varlık Vergisi (Varlik Vergisi was a tax levied mainly on non-Muslim citizens in Turkey from 1942, with the stated purpose of raising funds for the defense of the country in the event of an eventual entry into World War II). The tax remained for many years and targeted non-Muslim millionaires). His beautiful daughter Matilda fell in love with her father’s employee. The series tells the lives of two strong women, Matilda and Rashel de Kula, mother and daughter surviving in a rapidly changing country.

This production is unique and very important because of the rogue, as it is the first series in the world that tells the story of the Sephardi in Istanbul in the 20th century and that in many lines is in rogue.

The Club presents in detail the lives of Istanbul people from different communities who live together as neighbours, even though they don’t mix with each other. Who knows how many hearts broke because they didn’t culturally accept the marriage between different communities (Muslims and non-Muslims). But as the great writer Shakespeare wrote: “the heart wants what it wants.”

The series shows Pera in all its richness, the cultural life of the time, with cabarets, gazebos and cinemas. In a world that was changing very rapidly after the Second World War, the policies of “everyone being Turkish”, the discrimination against non-Muslims and Greeks and the conditions that preceded the pogroms of September 6th and 7th, 1955 against the Greek minority in Istanbul, as my grandfather told me.

I watched The Club with tears in my eyes, a passionate love story that was lived with great difficulty, in a culture in Istanbul that no longer exists today. The Club is making a very important echo in narrating our Istanbul in history.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.