ILUSÕES PERDIDAS: “No teatro da vida real as piores pessoas têm os melhores lugares.”

Meu amigo Flávio Balestreri tinha razão no excelente texto que escreveu para o CINEMARCO sobre o filme ILUSÕES PERDIDAS, de Xavier Giannoli. “Um obra prima”, sentenciava o texto do Flávio.

Irretocável.

Somente ontem vi o filme, disponível no NOW. É realmente um filme muito acima da média.

Baseado no livro ILLUSIONS PERDUES, de Honoré de Balzac, o filme narra a história trágica do jovem poeta Lucien Chardon (Benjamin Voisin) que vai para Paris pelas mãos de sua amada Louise de Bargeton (Cecile de France maravilhosa). Lá é obrigado a se afastar dela e dos ambientes de nobreza que ela frequenta.

Sem dinheiro, conhece o submundo das editoras e dos jornais marginais de Paris. Seu talento para a escrita lhe garante uma ascensão rápida nos tablóides que ganham a vida publicando notícias falsas (“Canards”) encomendadas por quem pode pagar.

Há muitas cenas e frases incríveis no filme. A certa altura, Louise pergunta a Lucien: “O que nos tornamos?”

Não posso deixar de mencionar o editor analfabeto Dauriat, magnífica criação de Gerard Depardieu, um dos melhores personagens que vi nas telas em muito tempo. Um editor de livros analfabeto. Coisa de gênio.

Acho que contar detalhes do filme, estragaria a surpresa das descobertas que Gianolli proporciona a seu espectador.

ILUSÕES PERDIDAS faz jus ao título. É um filme excepcional.

My friend Flávio Balestreri was right in the excellent text he wrote for CINEMARCO about the film LOST ILLUSIONS (ILLUSIONS PERDUES), by Xavier Giannoli. “A masterpiece”, sentenced Flávio’s text.

Impeccable.

Only yesterday I saw the film, available on NOW. It really is a wonderful film.

Based on the book ILLUSIONS PERDUES, by Honoré de Balzac, the film tells the tragic story of the young poet Lucien Chardon (Benjamin Voisin) who goes to Paris at the hands of his beloved Louise de Bargeton (Marvelous Cécille de France). There he is forced to distance himself from her and from the noble environments she frequents.

Penniless, he knows the underworld of Parisian publishing houses and fringe newspapers. His talent for writing earns him a quick rise in the tabloids that make a living by publishing fake news (“Canards”) commissioned by those who can afford it.

There are many wonderful scenes and phrases in the movie. At one point, Louise asks Lucien, “What have we become?”

I cannot fail to mention the illiterate editor Dauriat, a magnificent creation by Gerard Depardieu, one of the best characters I’ve seen on screen in a long time. An illiterate book publisher. A Genius thing.

I think that telling details of the film would spoil the surprise of the discoveries that Gianolli provides his viewer.

LOST ILLUSIONS lives up to its title. It is an exceptional film.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.