BAARIA – A PORTA DO VENTO: Memórias das Pessoas da Terra Natal de Tornatore

Toda vez que me deparo com um filme assinado por Giuseppe Tornatore, para para ver. Acho que ele ganhou esse crédito ao fazer o extraordinário CINEMA PARADISO.

Ontem, vi na Apple TV, o filme BAARIA – A PORTA DO VENTO, que Tornatore dirigiu em 2009. Apesar de ter 2h43min, passei boa parte do domingo vivendo as lembranças do menino Tornatore.

Um dos maiores filmes de todos os tempos é AMARCORD, de Federico Fellini. Ali, Fellini evoca as memórias de sua infância em sua cidade natal, Rimini. BAARIA é o mesmo tipo de filme feito a partir das memórias da criança que Tornatore foi na cidade de Bagheria.

Peppino Torrenuova é o alter ego de Tornatore, um menino pobre que vive em Bagheria e que certo dia é punido na escola porque não levou o livro, que fora mastigado por uma cabra durante o trabalho dele no campo. O filme mostra a vida de peppino entre as décadas de 20 a 80, sua paixão pela bela Mannina, os filhos do casamento, a política, a guerra, a vida rural, todos os fatos (ou as lembranças) do jovem.

Um dos recursos que Tornatore adora utilizar é a evocação do cinema. Nos filmes dele sempre há alguma cena dentro de um cinema e muitas aparições de cartazes e/ou fotos de filmes clássicos. Aqui, por exemplo os cartazes de 1900, de Bernardo Bertolucci e TRÊS IRMÃOS, de Francesco Rossi aparecem como indicando outras memórias de Tornatore.

O elenco tem Francesco Scianna como Peppino e Margareth Madè (atriz siciliana que apareceu na série DETECTIVE MONTALBANO) como a amada Mannina. A buñueliana Angela Molina também tem papel essencial como a mãe de Mannina.

Achei o filme longo demais, apesar de suas imagens belíssimas. Tornatore sabe, como poucos, envolver o espectador. Seu cinema está sempre a um passo de nos brindar com uma cena de beleza indescritível. BAARIA tem vários desses momentos.

Ainda que inferior à obra prima do próprio Tornatore (e aos três clássicos de colegas seus aqui já citados), BAARIA é um belo filme.

Merece ser visto pelos seus múltiplos méritos, pelas cenas poéticas que carrega e pelas memórias do jovem Tornatore.

Every time I come across a film signed by Giuseppe Tornatore, I stop to see it. I think he earned that credit by making the extraordinary CINEMA PARADISO.

Yesterday, I saw on Apple TV the movie BAARIA, which Tornatore directed in 2009. Despite having 2h43min, I spent a good part of Sunday living the memories of the young Tornatore.

One of the greatest films of all time is AMARCORD by Federico Fellini. There, Fellini evokes memories of his childhood in his hometown of Rimini. BAARIA is the same type of film made from the childhood memories that Tornatore was in the city of Bagheria.

Peppino Torrenuova is Tornatore’s alter ego, a poor boy who lives in Bagheria and is punished one day at school for not taking the book, which was chewed by a goat during his work in the fields. The film shows Peppino’s life between the 20s and 80s, his passion for the beautiful Mannina, the children of his marriage, politics, war, rural life, all the facts (or memories) of the young man.

One of the resources that Tornatore loves to use is the evocation of cinema. In his films there is always some scene inside a cinema and many appearances of posters and/or photos of classic films. Here, for example, NOVECENTO by Bernardo Bertolucci and THREE BROTHERS by Francesco Rossi appear as indicating other memories of Tornatore.

The cast has Francesco Scianna as Peppino and Margareth Madè (Sicilian actress who appeared in the series DETECTIVE MONTALBANO) as the beloved Mannina. The buñueliana Angela Molina also plays an essential role as Mannina’s mother.

I thought the film was too long, despite its beautiful images. Tornatore knows, like few others, to engage the viewer. His cinema is always one step away from offering us a scene of indescribable beauty. BAARIA has several of these moments.

Although inferior to Tornatore’s own masterpiece (and to the three classics by his colleagues already mentioned here), BAARIA is a beautiful film.

It deserves to be seen for its multiple merits, for the poetic scenes it carries and for the memories of the young Tornatore.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.