Desta vez, Mr. Inarritu não me conquistou. Fui defensor de primeira hora do belíssimo 21 GRAMAS e acho BABEL um filme espetacular. BIRDMAN tinha muitas coisas ótimas e alguns excessos, mas na média era muito bom e inventivo. Mas este O REGRESSO, tão badalado, para mim, não pegou. Claro que Leonardo di Caprio está excelente e deve ganhar o Oscar, a musica de Ryuichi Sakamoto, como sempre é fora de série, a fotografia de Emmanuel Lubezki matou a pau e a cena do urso arranca a gente da cadeira do cinema. Digna de antologia. E Tom Hardy, que baita ator! Dito isto, não comprei a relação entre pai e filho (um ator que achei inexpressivo), achei muita cena de violência gratuita (flechas na cabeça, vísceras expostas e outras do gênero) e sofrimento demais do protagonista. Quando a gente acha que o cara já sofreu tudo, vem mais uma baita desgraça para ele. Eta Sofrenildo. Não vi propósito no filme. Se era para mostrar as agruras do início da colonização americana, para mim DANÇA COM LOBOS foi muito melhor. Se era para contar uma história de perda e vingança naquele ambiente hostil, recomendo um filme de Sidney Pollack, chamado MAIS FORTE QUE A VINGANCA, com Robert Redford, uma lição de cinema e de emoção. Pode ser que o filme ganhe todos os prêmios, mas não ganhou minha admiração.