Conta-se uma historia de que quando o filme JOANNA D’ARC DE ROSSELINI (1954) foi exibido em Porto Alegre, um espectador viu duas sessões seguidas do filme no antigo Cine Ritz. O clima dramático do filme era a cena final em que a mártir, depois de uma longa caminhada subia vagarosamente os degraus do cadafalso, rumo a fogueira onde seria morta. Quando pisava no primeiro degrau, a atriz se virava para a câmera e dava um profundo olhar, filmada em magnifico close por Rosselini. Toda a arte e expressão de Ingrid Bergman transmitia um tsunami de emoções aos espectadores já então se desmanchando em lágrimas. Pois, segundo a historia, o espectador, na segunda sessão do filme, um segundo antes dela se virar para a câmera, grita: “Joaaannnnnaaaa”, dando a impressão de um chamado atendido pela atriz. Evidentemente a desagradável brincadeira quebrou completamente o clima da memorável cena dramática do clássico filme de Rosselini.