Em uma sessão do Clube de Cinema de Porto Alegre, em um domingo pela manhã, no Cinema Cacique, na Rua da Praia, o filme apresentado era LILI MARLENE(1981), de Rainer Werner Fassbinder. Ao final da sessão, um sócio do Clube de Cinema se dirigiu a mim reclamando que aquele filme tinha sido o pior filme que ele ja tinha visto e que estava decepcionado que tivéssemos programado um filme de tão baixo nível para uma sessão. Antes mesmo que ele terminasse seu veemente protesto, duas senhoras sócias chegam em lagrimas e, profundamente emocionadas dizem “Marco Antonio, muito obrigado. Hoje, vocês nos proporcionaram um dos momentos mais felizes de nossas vidas ao exibirem esta obra prima do cinema.” O cinema tem realmente este dom de despertar fortes sentimentos e paixões dos espectadores.