O QUARTO DE JACK (THE ROOM), de Lenny Abrahamson é um dos melhores filmes deste ano.   Como não tinha lido o livro de Emma Donoghue, estava com certo receio de que o filme fosse monótono e claustrofóbico. Depois de ler a crônica da Martha Medeiros recomendando O QUARTO DE JACK, fui em frente. Acho que a direção foi extremamente criativa em enfrentar a restrição de espaço na longa primeira parte do filme. Ate mesmo tira certa vantagem disto em favor da narrativa. Achei todo o filme brilhantemente construído e não tive um só momento de tedio. Acho que, por um lado, o humanismo da historia afastou qualquer possibilidade de monotonia. A seu lado, esta a violência sofrida pelos personagens. Neste sentido, não ha como não destacar o elenco de THE ROOM. A iniciar, claro, por Brie Larson. Seu trabalho é mesmo extraordinário. Dos momentos de sofrimento mudo as explosões de defesa de seu filho. O menino Jacob Trembley tem um trabalho longe daqueles cacoetes tão comuns em crianças que ficam chatas quando seu personagem muito em cena. Mérito dele e da direção. Sempre achei a atriz Joan Allen, que faz a Avó de Jack, excelente. Aqui, mais uma vez, depois que entra no filme, ela faz todos crescerem, dando um upgrade dramático nas cenas. Coisas de quem conhece seu oficio. Em resumo, um filme feito a partir de um livro muito bem escrito, resultou em uma obra inteligente, sensível, dramática e emocionante. O que se pode querer mais?