Depois de oito meses de intervalo, a primeira temporada de BLINDSPOT voltou ontem ao ar na televisão americana.

A série iniciou com uma sacola abandonada em Times Square. Evacuado por ameaça de terrorismo, o principal cartão postal de Nova Iorque vê, com surpresa sair da sacola misteriosa uma linda mulher nua, com o corpo todo tatuado. Ela não sabe quem é ou o que são as tatuagens. O FBI passa a tentar resolver o mistério. Mas, a partir dai, uma sequencia de atentados, todos ligados a cada uma das tatuagens da Jane Doe passa a acontecer.

Jaimie Alexander, a atriz que já tinha feito os dois filmes de Thor, da Marvel Studios leva heroicamente o papel.

Apoiado no clima de paranoia com relação ao terrorismo, o seriado vai criando atentados cada vez mais imaginativos para a equipe do FBI tentar desmanchar sempre no último minuto do episódio, enquanto a história de fundo vai avançando com surpresas e twists do roteiro em que os bandidos e mocinhos vão se alternando.

Na minha opinião, a série ainda esta no que se chamaria de “estágio probatório”, pois não se provou acima de qualquer suspeita. As filmagens são ótimas e o ritmo (ponto forte do cinema americano) prende o espectador, mas não sei se vão conseguir superar as dificuldades de conquistar um público fiel nos próximos anos.

Jane Doe merecia.