Stephen King é um sujeito que escreve livros (a maioria histórias de terror) cujo conteúdo sempre guarda muitas relações cinematográficas, seja porque seus escritos quase inevitavelmente viram filmes, seja porque ele é um cinéfilo declarado.

Os livros da série A TORRE NEGRA – cujo primeiro volume gerou o filme agora em cartaz – misturam vários destes elementos, como o mal, o bem, pais mortos, crianças traumatizadas e, o melhor de tudo, ícones do western.

A TORRE NEGRA é dirigida pelo dinamarquês Nikolaj Arcel, escritor dos roteiros da excelente série policial dark DEPARTAMENTO Q (três filmes), um personagem que cada vez chama mais a atenção pelo talento que mostra a cada projeto em que se envolve.

O maior destaque desta história de um menino sem pai, em busca de entender seus sonhos e visõs aterrorizantes sobre uma torre negra e pessoas sem rosto é o personagem do pistoleiro, vivido com garra incomum pelo inglês Idris Elba, incorporando os melhores cacoetes dos personagens clássicos dos faroestes que marcaram o cinema.

Matthew McConaughey como o mal ficou um pouco atrás, mas também sabe como defender seu lado da história.

E, para melhorar, o filme tem apenas noventa minutos. Quando esta história tão cheia de elementos iria começar a aborrecer, ela termina. Na medida certa.

 

Stephen King is a guy who writes books (most horror stories) whose content always holds many cinematographic relationships, because his writings almost inevitably becomes movies, or because he is an avid cinephile.

The books of the series THE DARK TOWER – whose first volume generated the movie now showing – mix several of these elements, such as evil, good, dead parents, traumatized children and, best of all, western icons.

THE DARK TOWER is directed by the Danish movie maker Nikolaj Arcel, writer of the screenplays of the excellent dark police series DEPARTMENT Q (three films), who is increasingly attracted by the talent that shows each project in which he gets involved.

The biggest highlight of this story of a fatherless boy, seeking to understand his dreams and terrifying visions about a black tower and faceless people is the character of the gunslinger, lived with unusual grasp by the Englishman Idris Elba, incorporating the best issues of the classic characters from the westerns that marked the cinema.

Matthew McConaughey as evil got a little behind but also knows how to defend his side of the story.

And to make matters better, the movie has only ninety minutes. When this story so full of elements would start to annoy, it ends. In the right measure.