ROMA: Alfonso Cuarón Faz Drama que Mostra que a Grandeza da Vida Está nas Pequenas Coisas do Cotidiano

ROMA, de Alfonso Cuarón é um drama rasgado que mostra como uma vida sofrida pode estar repleta de grandes cenas e emoções, mesmo que lide com coisas absolutamente simples e comuns.

O filme mostra a rotina de uma família na cidade do México, passando pelo café da manhã, a ida ao colégio e a pressão do horário, a dificuldade de colocar o carro na garagem, a limpeza necessária da casa, o cachorro da família e seus problemáticos dejetos, as infidelidades conjugais, o fascínio da ida ao cinema e a aspiração por uma vida melhor.

A protagonista é a empregada doméstica da família, a extraordinária Cleo, vivida pela atriz indígena mexicana Yalitza Aparicio, onipresente na tela durante todo o filme. Sua personagem tem uma humanidade plena, diferenciada em relação à frieza com se tratam os demais membros de seu meio, inclusive o suposto namorado, um modelo de narcisismo e egoísmo típico dos tempos atuais.

Cuarón tem suficiente habilidade para transitar no gênero dramático com a mesma categoria com que fez um memorável filme de ficção científica (GRAVIDADE) ou uma história futurista apocalíptica (FILHOS DA ESPERANÇA CHILDREN OF MEN) ou ainda um outro drama cotidiano (E SUA MÃE TAMBÉMY TU MAMA TAMBIÉN) ou filmes da franquia HARRY POTTER. Vale lembrar que Cuarón tembém produziu, montou e filmou ROMA.

São particularmente emocionantes as cenas com filmes – seja no cinema seja na televisão – e seu poder de entretenimento das pessoas.

ROMA parece um documentário sobre a vida daquela família, como se as câmeras estivessem colocadas em uma casa real, flagrando o citidano das pessoas que habitam aquela casa.

A desigualdade social entre as pessoas – que gera um tratamento de injustificada diferenciação no dia a dia – não impede que os momentos mais emocionais e carinhosos se dêem justamente quando se vê que todos nós temos os mesmos sentimentos, dores e inquietações sobre a vida e a morte.

Cleo olha tudo o que acontece a sua volta com um olhar entre terno e desconcertado. Ela é a narradora desta aventura fascinante da vida daquelas pessoas, inclusive ela.

ROMA by Alfonso Cuarón is an excellent drama that shows how a suffering life can be full of great scenes and emotions, even if it deals with absolutely simple and ordinary things .

The film shows the routine of a family in Mexico City, going from breakfast, going to school on time, the difficulty of putting the car in the garage, the necessary cleaning of the house, the family dog and his problematic waste, marital infidelities, the fascination of going to the cinema and the aspiration for a better life.

The protagonist is the family maid, the extraordinary Cleo, played by the Mexican indigenous actress Yalitza Aparicio , ubiquitous on screen throughout the film. Her character has a full humanity, differentiated in relation to the coldness with which the other members of his environment, including the supposed boyfriend, a model of narcissism and egoism typical of the present times.

Cuarón has enough ability to transact in the dramatic genre with the same category with which he made a memorable science fiction film ( GRAVITY ) or an apocalyptic futuristic story (CHILDREN OF MEN ) or another daily drama (Y TU MAMÁ TAMBIÉN) or the HARRY POTTER movies . It is worth remembering that Cuarón also produced, assembled and filmed ROMA.

Motion picture scenes – whether in the movies or on television – and their power to entertain people are particularly thrilling.

ROMA seems like a documentary about the life of that family, as if the cameras were placed in a real house, catching the day by day of the people that inhabit that house.

Social inequality between people – which generates a treatment of unjustified differentiation in everyday life – does not prevent the most emotional and affectionate moments from occurring just when one sees that all of us have the same feelings, pains and worries about the life and death.

Cleo looks at everything that happens around her with a look between suit and bewildered. She is the narrator of this fascinating adventure in the lives of those people, including her.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s