O SABOR DAS MARGARIDAS, série espanhola da NETFLIX tinha um ponto de partida interessante, embora hoje bastante visto em outros filmes e séries: uma policial jovem vai a uma cidade do interior investigar o desparecimento de uma jovem e, mesmo com o descrédito geral, descobre uma rede de pedofilia, exploração sexual e chantagem.

O roteiro abusa de utilizar os atuais clichês do gênero, como os segredos ocultos de uma pequena comunidade aparentemente normal, o envolvimento de poderosos do local com os mais sórdidos crimes, apesar de sua vida familiar ortodoxa, a suspeita de um serial killer, os traumas do passado da policial, a filha do policial que namora um tipo suspeito e por aí vai.

O problema central é que O SABOR DAS MARGARIDAS é uma novela das oito travestida de thriller policial. As cenas se sucedem no modelo confrontação de personagens, sobe a música dramática e há uma frase bombástica dita por um ao outro. Corte, comercial, volta em outra cena.

Há pouquíssimas novidades em O SABOR DAS MARGARIDAS. A ideia de iniciar cada um dos seis episódios com uma cena do final do mesmo, atecipando o suspense foi engenhosa e criativa. O twist final do enredo, nem tanto, embora não fosse esperado.

O elenco é em geral fraco e absolutamente padrão, desde a policial cheia de mistérios, o tira corrupto que oculta provas do caso, o chefe de polícia às vésperas da aposentadoria e o “maluquinho da cidade” com sua câmera que registra fotos de mulheres. Ninguém faz um trabalho acima da média.

Não vale a pena ficar seis horas em frente à TV para ver O SABOR DAS MARGARIDAS. Há séries policias (inclusive espanholas) bem sueriores a esta tentativa frustrada de disfarçar um novelão como sendo um thiller policial.


EL SABOR DE LAS MARGARITAS (BITTER DAISIES), Spanish series by NETFLIX had an interesting starting point, although nowadays seen in other films and series: a young policewoman goes to a small city in the countryside to investigate the disappearance of a young woman and, even with the general discredit , discovers a network of pedophilia, sexual exploitation and blackmail.

The script abuses of the current cliches of the genre, such as the hidden secrets of a seemingly normal small community, the involvement of powerful local people with the most sordid crimes, despite their orthodox family life, the suspicion of a serial killer, the traumas of the policewoman’s past, the daughter of the policeman who dates a suspect type and so on.

The central problem is that BITTER DAISIES is a soap opera transvestite as a thriller. All the scenes follow each other in the character confrontation model, dramatic music rises and there is a bombastic phrase spoken by each other. Cut, commercial, back in another scene.

There is very little news in BITTER DAISIES. The idea of ​​starting each of the six episodes with a scene from the end of it, anticipating the suspense was ingenious and creative. The final twist of the plot, not so much, though not expected.

The cast is generally weak and absolutely standard, from the mystery-filled cop, the corrupt cop who hides evidence from the case, the police chief on the eve of retirement, and the “city nut” with his camera that records photos of women. No one does an above-average job.

It is not worth spending six hours in front of the TV to see BITTER DAISIES. There are thrillers (including Spanish) well above this frustrated attempt to disguise a soap opera as a thiller.