ZORRO, criação do Johnston McCuley em 1919, é um herói mascarado que defende os fracos e oprimidos na Califórnia, em seu cavalo Tornado, com o criado mudo Bernardo e namorando belas donzelas mais ou menos empedradas, ao longo de várias versões para o cinema.

Ícone do gênero swashbuckler (capa e espada), ele é o alter ego de um jovem da elite espanhola vivendo com seu Pai Alejandro de La Vega, ambos inconformados com os governos ditatoriais e sua opressão ao povo mais carente. Fingindo-se de covarde, ele à noite se veste com o traje negro (lembrando uma Raposa, tradução de ZORRO) para fazer justiça.

No cinema há inúmeras versões do heroi centenário. Douglas Fairbanks escolheu o mascarado para um dos primeiros filmes da recém criada UNITED ARTISTS. Tyrone Power colocou a máscara negra para enfrentar em duelos de espada antológicos o vilão Basil Rathbone. Alain Delon encarnou Zorro na década de 70. Antônio Banderas (ao lado de uma linda Catherine Zeta Jones e do ótimo Anthony Hopkins) fez uma versão mais modernizada para a Disney.

Mas a versão do herói mais famosa e duradoura foi de uma série de TV da Disney entre 1957 e 1961, com Guy Williams (de PERDIDOS NO ESPAÇO) como Dom Diego de La Vega (Zorro), Gene Sheldon (Bernardo), Henry Calvin (como o Sargento Garcia), Don Diamond (Cabo Reyes), George J. Lewis (Alejandro de La Vega) e Romney Brant (Padre Felipe). Teve 82 episódios em três temporadas e segue um cult até os dias de hoje.

ZORRO aparece em 7 filmes de longa metragem americanos (inclusive uma versão gay com George Hamilton), 2 filmes mexicanos, 31 filmes europeus (italianos, espanhóis, belgas e franceses) e 15 séries de TV, inclusive uma brasileira (TV Bandeirantes com José Paulo de Andrade como o herói mascarado).

A imortalidade do heroi vem da luta pela Justiça e punição dos maus governantes. Certamente ainda teremos mais filmes do ZORRO no cinema, enquanto houver injustiças no mundo.

ZORRO, a creation of the writer Johnston McCuley in 1919, is a masked hero who defends the weak and oppressed in California on his Tornado horse, with the mute servant Bernardo, and dating beautiful ladies, over several versions to the cinema.

Icon of the genre swashbuckler (cloak and sword), he is the alter ego of a young Spanish living with his father Alejandro de La Vega, both disagreed with the dictatorial governments and their oppression of the neediest people. Pretending to be a coward, he at night dresses in the black costume (resembling a Fox, translation of ZORRO) to do justice.

In the cinema there are countless versions of the centenary hero. Douglas Fairbanks chose the masquerade for one of the first films of the newly created UNITED ARTISTS. Tyrone Power put on the black mask to face villain Basil Rathbone in anthological sword duels. Alain Delon embodied Zorro in the 1970s. Antonio Banderas (alongside beautiful Catherine Zeta Jones and great Anthony Hopkins) made a more modernized version for Disney.

But the version of the most famous and enduring hero was from a Disney TV series between 1957 and 1961, with Guy Williams (Lost in Space) as Don Diego de La Vega (Zorro), Gene Sheldon (Bernardo), Henry Calvin (as Sergeant Garcia), Don Diamond (Corporal Reyes), George J. Lewis (Alejandro de La Vega) and Romney Brant (Father Felipe). It has had 82 episodes in three seasons and follows a cult to this day.

ZORRO appears in 7 American feature films (including a gay version with George Hamilton), 2 Mexican films, 31 European films (Italian, Spanish, Belgian and French) and 15 TV series, including one Brazilian (TV Bandeirantes with José Paulo de Andrade as the masked hero).

The hero’s immortality comes from the struggle for justice and punishment of bad rulers. We will certainly have more ZORRO movies in the cinema as long as there are injustices in the world.