BARRY LINDON: Um dos Filmes Mais Lindos da História do Cinema Por Stanley Kubric

Que Stanley Kubric foi um dos maiores gênios da história do cinema, não há dúvidas. Afinal ele fez GLÓRIA FEITA DE SANGUE, DOUTOR FANTÁSTICO, SPARTACUS, O ILUMINADO, LARANJA MECÂNICA, 2001 UMA ODISSEIA NO ESPAÇO e DE OLHOS BEM FECHADOS, só para ficar em algumas das obras primas do cineasta.

Entre os filmes menos conhecidos do mestre (por incrível que pareça) está BARRY LINDON, uma obra que Kubric rodou em 1975. BARRY LINDON foi indicado a 7 Oscars e ganhou 4 (Fotografia, Direção de Arte, Figurino e Trilha Sonora), um David di Donatello e um BAFTA.

Baseado no livro do escritor William Makepeace Thackeray, com roteiro do próprio Kubric, esta obra prima com 185 minutos é o filme que eu vi com a fotografia mais linda: o trabalho do fotógrafo inglês John Alcott é simplesmente extasiante. O filme é uma sucessão interminável de imagens belíssimas, uma pintura atrás da outra. O espectador fica deslumbrado cena a cena, como se estivesse visitando um grande museu com quadros de mestres da pintura. Alcott usou em muitas cenas a técnica da “Noite Americana”(Day for Night) que Truffaut imortalizou em sua obra prima. O fotógrafo coloca uma pequena luminária dentro de uma vela, o que cria uma iluminação direta em um ambiente com menos luz, a critério da direção. Coisa de gênio, com um resultado mais do que deslumbrante.

Claro que sendo um excelente filme, BARRY LINDON tem muita coisa de excelência além da fotografia de Alcott: o figurino da multi premiada Milena Canonero, por exemplo é outro trabalho de antologia.

A dupla de protagonistas é Ryan O’Neal e Marisa Berenson, uma ótima atriz novaiorquina de cinema e teatro que hoje faz 73 anos. Ela esteve só em CABARET, de Bob Fosse e MORTE EM VENEZA, de Luchino Visconti.

Há alguns filmes em que a fotografia é tão linda que este é o aspecto que fica mais marcado em nossa memória. Lembro de dois outros filmes, que se juntam a BARRY LINDON. São CINZAS DO PARAÍSO (DAYS OF HEAVEN), de Terrence Mallik que tem uma fotografia inesquecível de Nestor Almendros e RAN, de Akira Kurosawa fotografado magistralmente pelo trio Asakazu Nakai, Takao Saitô e Shôji Ueda.

Pinturas de mestres em movimento. Obras eternas.

Everyone knows that Stanley Kubric was one of the greatest geniuses in the history of cinema. After all, he made PATHS OF GLORY, , DOCTOR STRANGELOVE, SPARTACUS, CLOCKWORK ORANGE, 2001, EYES WIDE SHUT, just to stay in some of the filmmaker’s masterpieces.

Among the lesser-known films of the master (oddly enough) is BARRY LINDON, a work that Kubric shot in 1975. BARRY LINDON was nominated for 7 Oscars and won 4 (Photography, Art Direction, Costume Design and Soundtrack), a David di Donatello and a BAFTA.

Based on the book by writer William Makepeace Thackeray, with a script by Kubric himself, this 185-minute masterpiece is the film I saw with the most beautiful photography: the work of English photographer John Alcott is simply ecstatic. The film is an endless succession of beautiful images, one painting after another. The viewer is dazzled scene by scene, as if he were visiting a large museum with paintings by masters of painting. Alcott used in many scenes the technique of “Day for Night” that François Truffaut immortalized in his masterpiece. The photographer places a small lamp inside a candle, which creates direct lighting in an environment with less light, at the discretion of the direction. A genius thing, with a more than stunning result.

Of course, being an excellent film, BARRY LINDON has a lot of excellence besides Alcott’s photography: the costume of the multi award-winning Milena Canonero, for example is another anthology work.

The duo of protagonists is Ryan O’Neal and Marisa Berenson, a great New York actress of cinema and theater who turns 73 today. She was alone in CABARET, by Bob Fosse and DEATH IN VENICE, by Luchino Visconti.

There are some films in which the photography is so beautiful that this is the aspect that is most marked in our memory. I remember two other films, which join BARRY LINDON. They are DAYS OF HEAVEN, by Terrence Mallik that has an unforgettable photograph of Nestor Almendros and RAN, by Akira Kurosawa, masterfully photographed by the trio Asakazu Nakai, Takao Saitô and Shôji Ueda.

Paintings of masters in motion. Eternal works.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.