MISSÃO IMPOSSÍVEL: “Esta Fita se Auto Destruirá em 5 Segundos”

MISSÃO IMPOSSÍVEL foi uma das séries mais marcantes da história da TV, por inúmeras razões: a trama, o elenco, a música, a inovação da montagem, a equipe de produção etc. Teve 7 temporadas com 171 episódios entre 1967 e 1973. Em 1988 foi revivida na Rede ABC por mais duas temporadas com 35 episódios, Hoje tem uma franquia de filmes produzidos e estrelados por Tom Cruise já em seu sexto filme.

O grupo de agentes secretos do IMF (Impossible Mission Force) sempre recebia uma missão de espionagem no início do capítulo, em lugares e de pessoas improváveis, através de uma gravação que ao final, pomposamente anunciava que “Como sempre, se você ou alguém de seu grupo for pego o morto, o Secretário irá negar conhecimento de seus atos. Boa sorte, Jim. Esta fita se auto-destruirá em 5 segundos.”.

O elenco teve atores que desfrutaram posteriormente de maior ou menos prestígio, como Leonard Nimoy (o Sr. Spock de STAR TREK), Martin Landau (filmes de Woody Allen), Sam Elliot(dois Globos de Ouro), Linda Day George, Peter Lupus, Greg Morris, Barbara Bain. A voz que explicava a missão em cada gravação era do ator Bob Johnson que nunca apareceu ou foi identificado.

O chefe do grupo era Jim Phelps, vivido pelo ator Peter Graves, morto em 2010. Graves teve várias aparições famosas no cinema como na obra prima de Billy Wilder INFERNO 17 ou na comédia APERTEM OS CINTOS O PILOTO SUMIU.

Os créditos de cada episódio eram apresentados com uma montagem super dinâmica das cenas da missão que viria pela frente, com um fósforo acendendo uma trilha (como se fosse um rastilho de pólvora) ao som da música imortal do compositor argentino-americano Lalo Schifrin (seis indicações e um Oscar honorário), certamente um dos “scores” mais famosos da história do cinema.

MISSÃO IMPOSSÍVEL legou para inúmeros filmes e séries de espionagem sua estética revolucionária de narrar missões secretas, a fascinante história de espiões duplos, a importância de uma edição rápida para dar dinamismo à narrativa e vilões memoráveis (sempre querendo conquistar o mundo). Naturalmente, a Guerra Fria entre URSS e EUA foi um prato cheio para os produtores da série. As missões na Alemanha Oriental ou na Rússia (atrás da Cortina de Ferro) eram sempre as mais perigosas e emocionantes.

No mundo atual, os enredos de espionagem estão em baixa. Mas MISSÃO IMPOSSÍVEL segue sendo, mais de 50 anos após seu lançamento, uma força respeitável. Não há como não se emocionar ao ouvir os acordes da obra prima de Lalo Schifrin ou a frase “esta fita se auto destruirá em 5 segundos”.

MISSION : IMPOSSIBLE was one of the most striking series in the history of TV, for numerous reasons: the plot, the cast, the music, the editing innovation, the production team, etc. It had 7 seasons with 171 episodes between 1967 and 1973. In 1988 it was revived on ABC for two more seasons with 35 episodes, Today it has a franchise of films produced and starring Tom Cruise in his sixth film.

The group of secret agents of the IMF (Impossible Mission Force) always received a spy mission at the beginning of the chapter, in unlikely places and people, through a recording that at the end, pompously announced that “As always, should you or any of your IM force be caught or killed, the Secretary will disavow any knowledge of your actions. Good luck, Jim. This tape will self-destruct in five seconds.”

The cast had actors who later enjoyed greater or lesser prestige, such as Leonard Nimoy (Mr. Spock of STAR TREK), Martin Landau (Woody Allen films), Sam Elliot (two Golden Globes), Linda Day George, Peter Lupus, Greg Morris, Barbara Bain. The voice that explained the mission in each recording was that of actor Bob Johnson who never appeared or was identified.

The head of the group was Jim Phelps, played by actor Peter Graves, who died in 2010. Graves had several famous appearances in cinema, such as in Billy Wilder‘s excellent STALAG 17 or in the comedy AIRPLANE.

The credits of each episode were presented with a super dynamic montage of the scenes from the mission that would come ahead, with a match lighting a track (as if it were a gunpowder) to the sound of the immortal music of Argentine-American composer Lalo Schifrin (six nominations and an honorary Oscar), certainly one of the most famous “scores” in the history of cinema.

IMPOSSIBLE MISSION bequeathed to countless films and spy series its revolutionary aesthetic of narrating secret missions, the fascinating history of double spies, the importance of a quick edition to give dynamism to the narrative and memorable villains (always wanting to conquer the world). Naturally, the Cold War between the USSR and the USA was a big deal for the series’ producers. Missions in East Germany or Russia (behind the Iron Curtain) were always the most dangerous and exciting.

In today’s world, espionage plots are down. But MISSION : IMPOSSIBLE remains, more than 50 years after its launch, a respectable force. There is no way not to be moved when listening to the chords of Lalo Schifrin‘s masterpiece or the phrase “this tape will self-destruct in 5 seconds”.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.