O PACTO DO LOBOS: Aventura, Mistério, Conspirações e Monica Bellucci

Revi um filme francês de que gosto muito: O PACTO DOS LOBOS, que o cineasta Christophe Gans (somente oito filmes, inclusive uma versão de A BELA E A FERA, com Vincent Cassel e Lea Seydoux) fez, em 2001, com todos os elementos de superprodução.

Em 1764, dois forasteiros (o Cavaleiro de Fronsac e seu parceiro, um índio Mani com ares de misticismo) chegam à Província de Gevaudan, no interior da França para resolver os ataques e mortes que estão acontecendo por uma criatura (a Besta) que parece de filmes de terror: um lobo excepcionalmente grande, forte e violento.

PACTO DOS LOBOS sabe muito bem mesclar os vários gêneros cinematográficos que frequente: é um thriller de época, mas tem toques de western, tem espionagem, romance, crítica social e é um filme de aventuras muito competente e bem feito. Fiquei muito curioso em ver a versão do diretor, com 151 minutos (contra 144 desta que está na Amazon Prime Video Brasil), lançada em edição especial em DVD.

O filme aborda temas da modernidade como inclusão, preconceito, ambientalismo, surpreendentes para um thiller de aventura. Há, ainda, conspirações religiosas, organizações secretas de preservação de costumes, planos mirabolantes de vingança, celibato, incesto, bordel, rituais indígenas, tudo muito bem orquestrado no roteiro extraordinário de Stéphane Cabel (argumento original) que fez o desenvolvimento com o próprio diretor Gans.

O elenco é fabuloso. Acima de todos está Monica Bellucci, linda e deslumbrante como a prostituta Sylvia, por quem o Cavaleiro de Fronsac se encanta, mas que tem um papel na trama insuspeitado e essencial. Bellucci é uma premiada atriz italiana que na época do filme estava com apenas 37 anos, no auge de sua beleza. Mas tem Vincent Cassell (na época marido de Belucci), Samuel LeBihan, Jacques Perrin, Emille Dequenne (belíssima) e o havaiano Marc Dacascos em seu melhor papel, como o índio Mani.

São ainda destaques do filme a fotografia belíssima do dinamarquês Dan Laustsen (A FORMA DA ÁGUA), a música de Joseph LoDuca e a cenografia e direção de arte de tirar o fôlego (tanto nas cenas externas como nos interiores).

O PACTO DOS LOBOS é um filme diferente, sempre interessante e bom de se ver ou rever. Mereceu ser um blockbuster franco-italiano que faturou mais de 70 milhões de dólares no ano de seu lançamento. É um ótimo filme.

I reviewed a French-Italian film that I really like: THE BROTHERHOOD OF WOLVES (LE PACT DE LES LOUPS), which the filmmaker Christophe Gans (only eight films, including a version of THE BEAUTY AND THE BEAST, with Vincent Cassel and Lea Seydoux) made, in 2001, with all the elements of a blockbuster.

In 1764, two outsiders (the Knight of Fronsac and his partner, an Indian with an air of mysticism) arrive in the Province of Gevaudan, in the interior of France to solve the attacks and deaths that are happening by a creature (the Beast ) that looks like from horror movies: an exceptionally large, strong and violent wolf.

THE BROTHERHOOD OF WOLVES knows very well how to mix the various cinematographic genres taht frequents: it is a period thriller, but it has touches of western, it has espionage, romance, social criticism and it is a very competent and well made adventure film. I was very curious to see the director’s version, with 151 minutes (against 144 of this one that is on Amazon Prime Video Brasil), released in a special edition on DVD.

The film addresses themes of modernity such as inclusion, prejudice, environmentalism, surprising for an adventure thiller. There are also religious conspiracies, secret customs preservation organizations, crazy plans for revenge, celibacy, incest, brothels, indigenous rituals, all very well orchestrated in the extraordinary script by Stéphane Cabel (original argument) who made the development with the director himself Gans.

The cast is fabulous. Above all is Monica Bellucci, beautiful and stunning as the prostitute Sylvia, for whom the Knight of Fronsac is enchanted, but who has a role in the unsuspected and essential plot. Bellucci is an award-winning Italian actress who at the time of the film was only 37 years old, at the height of her beauty. But there is Vincent Cassel (then husband of Belucci), Samuel LeBihan, Jacques Perrin, Emille Dequenne (beautiful) and the Hawaiian Marc Dacascos in his best role, like the Indian Mani.

Also featured in the film are the beautiful photography by the Danish Dan Laustsen (THE FORM OF WATER), the music by Joseph LoDuca and the breathtaking set design and art direction (both in the outdoor and indoor scenes).

THE BROTHERHOOD OF WOLVES is a different film, always interesting and good to see or review. It deserved to be a Franco-Italian blockbuster that earned more than $ 70 million in the year of its release. It’s a great movie.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.