UM VELHO QUE LIA ROMANCES DE AMOR: Um Belo Filme Sobre a Idade, as Memórias, a Literatura e o Meio Ambiente

Uma das vantagens desta multiplicidade de serviços de streaming é o imenso cardápio de filmes independentes, das mais diversas origens e nacionalidades que estão a nossa disposição. O LOOKE tem uma lista incrível de filmes que eu nunca tinha tido sequer notícia.

Neste domingo vi UM VELHO QUE LIA ROMANCES DE AMOR, ótimo filme que o cineasta holandês Rolf de Heer fez no ano 2000, estrelando Richard Dreyfuss (o “Velho”) e Hugo Weaving (MATRIX). Dreyfuss faz o papel de um homem (Antonio Bolivar) que vai morar na selva amazônica da Guiana Francesa com sua esposa, que não resiste 2 anos e morre. Ele, então fica sozinho e se torna um personagem respeitada na pequena comunidade (que fica isolada todo ano na época de chuvas), comandada por um Prefeito totalitário (o ótimo ator inglês Timothy Spall) e corrupto e por um dentista itinerante (Weaving). A coisa se complica quando um caçador clandestino de peles de animais bebês aparece morto na comunidade atacado por uma onça.

Depois de seguidas mortes de habitantes e animais do local (“a onça sentiu o cheiro de sangue humano”), é montada uma expedição para eliminar a predadora.

Tudo é mostrado com muita sensibilidade e lirismo. A narrativa é entremeada por lindas frases de romances de amor que o velho lê febrilmente desde que iniciou uma relação com a índia que trabalhava para o Prefeito. Aliás, outro destaque é a implicância do poder com os livros. Algo tão antigo quanto moderno e atual. Também há cenas belíssimas de memórias do velho de sua relação com os índios locais, que lhe ensinaram o amor à floresta e à fauna amazônica.

Além das belíssimas cenas do filme de Rolf de Heer extrai da floresta fechada (cenas realmente impressionantes), fiquei fascinado pelo roteiro que pontua frases realmente belíssimas. “Foi um beijo de intensidade apaixonada, um beijo para ser lembrado por toda a vida”.

Richard Dreyfuss é um ator que teve sua carreira atrapalhada por problemas de alcoolismo e drogas. Mas fez personagens memoráveis como o oceanógrafo Matt Hooper de JAWS, o oscarizado ator Elliot Garfield de THE GOODBYE GIRL. Aqui, mais uma vez, ele mostra seu talento invulgar na arte de representar. É delicioso ver suas expressões, linguagem corporal e graça como ator.

UM VELHO QUE LIA ROMANCES DE AMOR é um filme pequeno mas que merece muito ser visto.

One of the advantages of this multiplicity of streaming services is the immense menu of independent films, from the most diverse origins and nationalities that are at our disposal. LOOKE has an incredible list of films that I’ve never even heard of.

This Sunday I saw THE OLD MAN WHO READ LOVE STORIES, great film that Dutch filmmaker Rolf de Heer made in 2000, starring Richard Dreyfuss (the “Old Man”) and Hugo Weaving (MATRIX). Dreyfuss plays the role of a man (Antonio Bolivar) who will live in the Amazon jungle of French Guiana with his wife, who cannot resist 2 years and dies. He then remains alone and becomes a respected character in the small community (which is isolated every year during the rainy season), led by a corrupt and totalitarian Mayor (the great English actor Timothy Spall) and an itinerant dentist (Weaving). It gets complicated when a poacher hunter of baby animal skins appears dead in the community attacked by a jaguar.

After several deaths of local inhabitants and animals (“the jaguar smelled human blood”), an expedition is set up to eliminate the predator.

Everything is shown with great sensitivity and lyricism. The narrative is interspersed with beautiful phrases of love novels that the old man has read feverishly since he started a relationship with the Indian (Cathy Tyson) who worked for the Mayor. In fact, another highlight is the implication of power with books. Something as old as it is modern and current. There are also beautiful scenes from the old man’s memories of his relationship with the local Indians, who taught him the love of the Amazon forest and fauna.

In addition to the beautiful scenes from the Rolf de Heer film extracted from the closed forest (really impressive scenes), I was fascinated by the script that punctuates really beautiful phrases. “remember by the lives by.”

Richard Dreyfuss is an actor whose career has been hindered by alcohol and drug problems. But he made memorable characters like oceanographer Matt Hooper from JAWS, and the oscarized actor Elliot Garfield from THE GOODBYE GIRL. Here, again, he shows his usual talent in the art of acting. It is delightful to see his expressions, body language and grace as an actor.

THE OLD MAN WHO READ LOVE STORIES is a small film but it deserves to be seen.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.