JUDAS E O MESSIAS NEGRO: Real e Tristemente Atual

O movimento BLACK LIVES MATTER invadiu o cinema e trouxe grandes filmes. Somente nesta safra temos UMA NOITE EM MIAMI, DESTACAMENTO BLOOD, A VOZ SUPREMA DO BLUES e agora JUDAS E O MESSIAS NEGRO, em cartaz na HBO MAX.

O cineasta e roteirista Shaka King (NEWLYWEEDS) escreveu e dirigiu a história real de Fred Hamptom, Presidente do PArtido dos Panteras Negras de illinois, nos anos 60, traído por um informante do FBI, William O’Neal enquanto pregava contra o racismo estrutural nos EUA.

O filme optou por um tom quase documental, muitas vezes lembrando um documentário sobre um episódio real. Mas isto não impede o diretor Ling de imprimir ritmo e tensão a seu filme. Mesmo não conhecendo o desfecho do episódio histórico fica fácil ao espectador imaginar no que tudo vai dar.

A brilhante utilização de imagens reais de um documentário da PBS sobre o fato, com a única entrevista do William O’Neal verdadeiro é um toque de mestre do diretor.

O inglês Daniel Kaluuya (GET OUT e BLACK PANTHER) faz um notável Fred Hamptom. O californaiano LaKeth Stanfield não fica atrás como Bill O’Neil. E o contraponto é dado pelo espetacular agente do FBI que alicia O’Neil, o determinado Roy Mitchell, feito pelo ator texano Jesse Plemons. E Martin Sheen faz uma ponta excepcional como J.Edgar Hoover o todo poderoso chefe do FBI.

JUDAS E O MESSIAS NEGRO é muito forte em suas colocações e cenas. Mas para quem se preocupa com tendências racistas que insistem em se manifestar no mundo atual, mostra um episódio importante e gravíssimo da história americana. Com isso, se torna essencial.

The BLACK LIVES MATTER movement invaded the cinema and brought great films. Only in this harvest do we have ONE NIGHT IN MIAMI, DAS 5 BLOOD, MA RAYNE’S BLACK BOTTOM and now JUDAS AND THE BALCK MESSIAH, playing on HBO MAX.

Filmmaker and screenwriter Shaka King (NEWLYWEEDS) wrote and directed the true story of Fred Hamptom, Chairman of the Black Panthers’ Party of Illinois in the 1960s, betrayed by an FBI informant, William O’Neal while preaching against the structural racism in the USA.

The film opted for an almost documentary tone, often reminiscent of a documentary about a real episode. But that doesn’t stop director Ling from adding rhythm and tension to his film. Even without knowing the outcome of the historical episode, it is easy for the viewer to imagine what will happen.

The brilliant use of real footage from a PBS documentary on the fact, with William O’Neal’s only real interview is a touch of the director’s master.

Englishman Daniel Kaluuya (GET OUT and BLACK PANTHER) makes a remarkable Fred Hamptom. Californian LaKeith Stanfield is not far behind like Bill O’Neil. And the counterpoint is given by the spectacular FBI agent who entices O’Neil, the determined Roy Mitchell, made by the Texan actor Jesse Plemons. Martin Sheen makes an exceptional cameo as J.Edgar Hoover the almighty FBI chief.

JUDAS AND THE BALCK MESSIAH is very strong in its settings and scenes. But for those concerned with racist tendencies that insist on manifesting themselves in today’s world, it shows an important and very serious episode in American history. With that, it becomes essential.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.