UM MÉTODO PERIGOSO: O Poder de uma Segunda Visão

Na trilha do post sobre os filmes que têm Freud como personagem, ontem fui rever UM MÉTODO PERIGOSO (A DANGEROUS METHOD), obra que o canadense David Cronemberg dirigiu em 2011, com luzidio elenco: Michael Fassbender, Keira Knightley, Vincent Cassel e Viggo Mortensen.

O filme é baseado na peça de teatro de autoria de Christopher Hampton (também autor do roteiro), THE TALKING CURE, que por sua vez era baseada no livro de não ficção A MOST DANGEROUS METHOD: THE STORY OF JUNG, FREUD AND SABINA SPIELREIN.

Quando o trabalho de Sigmund Freud inicia a ficar conhecido e seu discípulo Carl Jung começa a ter divergências com o mestre, a chegada de uma paciente para Jung, uma russa sofrendo de histeria ao hospital de Zurique em que Jung clinica vai detonar fatos mais do que relevantes para a separação dos dois ilustras doutores.

Em uma segunda visão, o filme soa muito melhor elaborado e interessante para o espectador. Ao menos para mim, na primeira vez que vi o filme, os habituais exageros cênicos de Cronemberg chocaram um pouco e me afastaram da história.

Hoje, já sabendo o que viria, consegui ir mais fundo na história e vi muita coisa bastante interessante. Os pontos de divergência entre Freud e Jung, por exemplo, ficam muito claros no filme. São muito bem sintetizados quando Jung diz ao mestre que era o início da “psico análise”. Freud retruca: “a palavra é psicanálise, muito mais sonora e atraente.”

Também comprei muito mais o trabalho de Keira Knightley como Sabina Spielrein, uma personagem real, inicialmente paciente de Jung, depois sua amante e finalmente, uma brilhante mulher psiquiatra que marcou época na Rússia.

Longe de ser um filme fácil, A DANGEROUS METHOD se revela nesta segunda visão um filme muito mais elaborado e interessante. Grandes personagens, ótimos atores e uma história profunda e decisiva para a psicanálise que temos tão em voga nos dias atuais.

On the track of the post about the films that have Freud as a character, yesterday I went to review A DANGEROUS METHOD, a work that the Canadian David Cronemberg directed in 2011, with a brilliant cast: Michael Fassbender, Keira Knightley, Vincent Cassel and Viggo Mortensen.

The film is based on the play by Christopher Hampton (also author of the script), THE TALKING CURE, which in turn was based on the nonfiction book A MOST DANGEROUS METHOD: THE STORY OF JUNG, FREUD AND SABINA SPIELREIN.

When Sigmund Freud‘s work begins to become known and his disciple Carl Jung begins to have disagreements with the master, the arrival of a patient for Jung, a Russian woman suffering from hysteria at the Zurich hospital in which Jung is going to detonate facts more than relevant to the separation of the two distinguished doctors.

In a second view, the film sounds much better elaborated and interesting to the viewer. At least for me, the first time I saw the film, Cronemberg’s usual scenic exaggerations shocked me a bit and took me away from history.

Today, already knowing what was coming, I managed to go deeper into the story and saw a lot of interesting things. The points of divergence between Freud and Jung, for example, are very clear in the film. They are very well synthesized when Jung tells the master that it was the beginning of “psycho analysis”. Freud replies: “the word is psychanalysis, much more sonorous and attractive.”

I also bought a lot more of Keira Knightley‘s work as Sabina Spielrein, a real character, initially patient of Jung, then his lover and finally, a brilliant psychiatrist who marked an era in Russia.

Far from being an easy film, DANGEROUS METHOD reveals itself in this second vision to be a much more elaborate and interesting film. Great characters, great actors and a profound and decisive story for the psychoanalysis that we have so much in vogue today.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.