SICÁRIO : O DIA DO SOLDADO, do italiano Stefano Solima (GOMORRAH e SUBURRA) é a inevitável continuação do grande sucesso SICÁRIO: TERRA DE NINGUÉM, que Dennis Villeneuve fez com enorme competência em 2015.

A história violenta da guerra na fronteira entre Estados Unidos e México ganhava um elemento essencial de humanidade na personagem da agente Kate Macer, vivida com excelência por Emily Blunt, um contraponto perfeito para os trabalhos também perfeitos de Benício del Toro (o assassino Alejandro) e Josh Brolin (o agente Matt Graver).

Neste Opus Dois, não voltou a agente Macer, ficando a história por conta dos dois outros protagonistas. Consequência: sobrou violência. Faltou aquele algo a mais. O roteiro até tentou colocar isto na personagem da menina raptada Isabel Reyes (Isabel Moner), mas não conseguiu grande efeito.

Os chefes da missão, vividos por Katherine Keener e Matthew Modine estão muito bem em seus papéis de burocratas frios e calculistas em ordenar eliminações sem pestanejar.

A produção nota dez e uma montagem nervosa asseguram tensão permanente e vários sobressaltos ao espectador.

Faltou ao diretor Solima, oque sobrou a Villeneuve: ir um pouco além. Ousar em uma abordagem acima do óbvio.

Este SICÁRIO número dois ficou atrás do número um.

 

SICÁRIO: DAY OF THE SOLDADO, by Italian Stefano Solima (GOMORRAH and SUBURRA) is the inevitable continuation of the great success SICÁRIO, that Dennis Villeneuve did with enormous competence in 2015.

The violent history of the war against the drug cartels in the border of United States and Mexico gained an essential element of humanity in the character of agent Kate Macer, lived with excellence by Emily Blunt, a perfect counterpoint to the perfect works of Benicio del Toro (the murderer Alejandro) and Josh Brolin (agent Matt Graver).

In this Opus Two, agent Macer did not return; the story is made by the two other protagonists. Consequence: violence remains. There was something else missing. The script even tried to put this in the character of the abducted girl Isabel Reyes (Isabel Moner), but did not achieve great effect.

The mission chiefs Katherine Keener and Matthew Modine are very well in their role of cold, calculating bureaucrats ordering unambiguous eliminations.

The ten note production and a nervous editing ensure permanent tension and various shocks to the viewer.

Director Solima missed, what Villeneuve knew as a master: to go a little further. Dare on an overly obvious approach.

This number two SICARIO was well behind number one.