VINGADORES: ULTIMATO, dirigido pelos irmãos Anthony e Joe Russo é um final excelente para a franquia que gerou vinte e dois filmes, quase todos com imenso sucesso.

Depois do incrível êxito de VINGADORES: GUERRA INFINITA, tinha ficado muito difícil achar um final adequado para a saga, devido à morte da maioria dos heróis no final do filme anterior. Muito se tinha falado na hipótese da viagem no tempo, mas isto somente acentuava o desafio de manter a criatividade ímpar da série até então.

Há que se dizer que o filme atual é extremamente criativo, inteligente em todas as situações que cria e que, inclusive, reserva um twist de roteiro para derrubar as visões de que seria previsível.

THANOS (Josh Brolin) segue sendo um vilão antológico, daqueles a ser lembrado por muitas e muitas décadas. Quando ele declara aos mocinhos que agora a batalha virou pessoal para ele, sai da frente.

Aliás batalha final deste último capítulo é realmente espetacular, superando todos os riscos de ficar o filme baseado demais em efeitos especiais e explosões. Não que falte isto, mas é feito dentro uma batalha tão épica que oscila entre empolgante (o público se levante e aplaude quando ela inicia) e emocionante (“Ela não está sozinha.”)

Claro que Robert Downey Jr., Gwyneth Paltrow, Scarlett Johansson e Jeremy Renner são os maiores destaques do filme. Mas são tantos heróis e assuntos que é quase impossível traçar uma preferência.

O maior ponto positivo do filme, surpreendentemente é seu roteiro, onde temas caros ao cinema, como lealdade, capacidade de sacrifício, amizade, amor e família são desafiados e questionados a cada cena. O roteiro se sai maravilhosamente bem em todas as ideias que traça para um final de saga memorável.

Em determinada cena, o Homem de Ferro diz: “O final é apenas uma etapa da jornada.” Este VINGADORES: ULTIMATO é um excepcional final para uma saga inesquecível para os fãs da Marvel e do cinema.

AVENGERS: ENDGAME directed by brothers Anthony and Joe Russo is an excellent ending to the franchise that has generated twenty-two films, almost all with great success.

After the incredible success of AVENGERS: INFINITE WAR, it had been very difficult to find an adequate end to the saga, due to the death of most of the heroes at the end of the previous film. Much had been said about the time travel hypothesis, but this only heightened the challenge of maintaining the series’ unique creativity until then.

It must be said that the current film is extremely creative, intelligent in every situation it creates and even reserves a twist of script to overturn the visions that would be predictable.

THANOS (Josh Brolin) remains an anthological villain, of those to be remembered for many, many decades. When he tells the good guys that the battle has now become personal to him, it is very amazing.

In fact the final battle of this last chapter is really spectacular, overcoming all the risks of getting the film based too much on special effects and explosions. Not that this is missing, but it’s done inside an epic battle that swings between exciting (the audience stands up and applauds when it starts) and exciting (“She’s not alone.”)

Of course Robert Downey Jr., Gwyneth Paltrow, Scarlett Johansson and Jeremy Renner are the highlights of the film. But there are so many heroes and subjects that it is almost impossible to draw a preference.

The biggest plus of the film, surprisingly is its script, where deep film themes such as loyalty, capacity for sacrifice, friendship, love and family are challenged and questioned at every scene. The script does wonderfully well on all the ideas it traces to a memorable saga ending.

In a certain scene, Iron Man says, “The end is only one stage of the journey.” This AVENGERS; ENDGAME is an exceptional finale for an unforgettable saga for Marvel fans and cinema.