A.O.SCOTT, no THE NEW YORK TIMES Sobre THE IRISHMAN: Um Monumento Grande, Sólido e Surpreendentemente Delicado

Trecho da crítica de A.O.Scott, parav o THE NEW YORK TIMES, a respeito de THE IRISHMAN, de Martin Scorsese:

“Mas “The Irishman” também não é sentimental sobre isso. É um presente para os cinéfilos, com certeza – chegará aos cinemas em 1º de novembro, na Netflix, em 27 de novembro -, mas também será um reconhecimento sombrio das limitações. Ao lado da história da carreira de Frank, há outra, quase invisível para ele, sobre o preço pago pelas mulheres em sua vida, em particular sua filha Peggy. Peggy (interpretada quando criança por Lucy Gallina e depois por Anna Paquin), gosta de Hoffa e é assustada por Russell. Embora ela mal diga uma palavra, seu silêncio dá um veredicto condenatório para o pai e o mundo dele. Também representa um gesto da parte de Scorsese em relação a algumas das histórias que ele não escolheu nem soube contar ao longo dos anos. Esse é outro tipo de perda.

Assistir a este filme, especialmente em seu longo e gracioso movimento final, é sentir um círculo se fechando. Este não é o último filme que Scorsese fará, ou o último que alguém fará sobre a Máfia em seu auge, mas chega a um tipo de local de descanso. Não é fácil, de forma alguma, uma vez que o “The Irishman” olha para trás é um legado de violência e desperdício, de homens muito duros e que querem ser lamentados. Um monumento é uma coisa complicada. Este é grande e sólido – e também surpreendentemente, surpreendentemente delicado.”

Excerpt from the review by A.O.Scott no THE NEW YORK TIMES about THE IRISHMAN, by Martin Scorsese:

“But “The Irishman” isn’t sentimental about that, either. It’s a gift for cinephiles, to be sure — it will arrive in theaters on Nov. 1, on Netflix Nov. 27 — but also a somber acknowledgment of limitations. Alongside the story of Frank’s career runs another one, nearly invisible to him, about the price paid by the women in his life, in particular his daughter Peggy. Peggy (played as a child by Lucy Gallina and then by Anna Paquin), is fond of Hoffa and creeped out by Russell. Though she barely says a word, her silence delivers a damning verdict on her father and his world. It also represents a gesture on Scorsese’s part toward some of the stories he hasn’t chosen or known how to tell over the years. That’s another kind of loss.

To watch this movie, especially in its long, graceful final movement, is to feel a circle closing. This isn’t the last film Scorsese will make, or the last film anyone will make about the Mafia in its heyday, but it does arrive at a kind of resting place. Not an easy one, by any means, since what “The Irishman” looks back on is a legacy of violence and waste, of men too hard and mean to be mourned. A monument is a complicated thing. This one is big and solid — and also surprisingly, surpassingly delicate.”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s