FOME DE VIVER: Um Lindo, Sedutor e Apaixonado Filme de Vampiros por Tony Scott

Em 1983, o irmão mais jovem de Ridley Scott, o também inglês Tony Scott (falecido em 2012) fez um dos melhores filmes de vampiro de todos os tempos: FOME DE VIVER (THE HUNGER), estrelado por um luminoso trio, constituído por Catherine Deneuve, David Bowie e Susan Sarandon.

O filme – visualmente deslumbrante – narra a história do casal de vampiros Miriam e John que atravessam os séculos se alimentando de sangue humano. A entrada de uma gerontologista, formando um triângulo amoroso vai quebrar a eternidade do casal.

Tony Scott era publicitário e cineasta especializado em clips musicais. Seu senso estético era realmente diferenciado. O visual (e a integração com a trilha sonora) são exemplares perfeitos. Aqui em THE HUNGER acho que fez seu melhor trabalho, mesmo tendo em seu currículo TOP GUN, UM TIRA DA PESADA II, DIAS DE TROVÃO, O ÚLTIMO BOY SCOUT e DEJA VU.

A crítica sempre torceu o nariz para os filmes de Tony Scott, achando-os demasiado próximos de videoclips, ou seja privilegiavam o visual em detrimento do conteúdo.

Sempre achei o personagem do vampiro o mais fascinante do mundo do horror. A ideia da sedução pela oferta da vida eterna, a metáfora dos dentes pontiagudos penetrando pescoços e o mito da vida apenas à noite são metáforas riquíssimas que alguns souberam explorar como poucos. BRAM STOKER DRÁCULA, de Francis Coppola, NOSFERATU, de Murnau (depois refilmado muito bem por Werner Herzog) e A DANÇA DOS VAMPIROS, de Roman Polanski são meus favoritos.

FOME DE VIVER chega a este grupo com honra. É um filme que se assiste com muito prazer, desfrutando o roteiro e as cenas visualmente extasiantes. O trio central de atores (Deneuve, Bowie & Sarandon) estão magníficos.

Um elemento único de FOME DE VIVER (clássico em filmes de vampiros) é o clima de sedução. Veja-se este diálogo:

Sarah Roberts: Qual é a peça que você está tocando?
Miriam Blaylock: É “Lakme”, de Delibes. Lakme é uma princesa brâmane na Índia, ela tem uma escrava chamada Malika.
Sarah Roberts: Malika …
Miriam Blaylock: Em um jardim mágico, eles cantam como seguem o riacho até sua fonte, deslizando sobre a água.
Sarah Roberts: É uma música de amor?
Miriam Blaylock: Eu te disse, foi cantada por duas mulheres.
Sarah Roberts: Parece uma música de amor.
Miriam Blaylock: Então suponho que seja isso.
Sarah Roberts: Você está me dando uma cantada, Sra. Blaylock?
Miriam Blaylock: Miriam.
Sarah Roberts: Miriam.
Miriam Blaylock: Não que eu saiba, Sarah.
[Sarah sorri, balança a cabeça e derrama vinho no top]

FOME DE VIVER vale muito a pena.

In 1983, Ridley Scott’s younger brother, also Englishman Tony Scott (died in 2012) made one of the best vampire films of all time: THE HUNGER, starred by a luminous trio, consisting of Catherine Deneuve, David Bowie and Susan Sarandon.

The film – visually stunning – tells the story of the couple of vampires Miriam and John who cross the centuries feeding on human blood. The entry of a gerontologist, forming a love triangle will break the eternity of the couple.

Tony Scott was a publicist and filmmaker specializing in music clips. His aesthetic sense was really different. The visuals (and the integration with the soundtrack) are perfect examples. Here at THE HUNGER I think he did his best work, even though he had TOP GUN, BEVERLY HILLS COP II, DAYS OF THUNDER, THE LAST BOY SCOUT and DEJA VU.

Critics has always wrinkled its nose for Tony Scott’s films, finding them too close to video clips, that is, they favored the visual over the content.

I have always found the vampire character the most fascinating in the horror world. The idea of ​​seduction by offering eternal life, the metaphor of pointed teeth penetrating necks and the myth of life only at night are very rich metaphors that some knew how to explore as few. BRAM STOKER DRÁCULA, by Francis Coppola, NOSFERATU, by Murnau (later remade very well by Werner Herzog) and Roman Polanski‘s THE VAMPIRE KILLERS, are my favorites.

HUNGER comes to this group with honor. It is a film that is watched with great pleasure, enjoying the script and the visually ecstatic scenes. The central trio of actors (Deneuve, Bowie & Sarandon) are magnificent.

A unique element of HUNGER (classic in vampire films) is the climate of seduction. See this dialog:

Sarah Roberts: What is the piece you are playing?
Miriam Blaylock: It’s “Lakme”, by Delibes. Lakme is a Brahmin princess in India, she has a slave girl called Malika.
Sarah Roberts: Malika …
Miriam Blaylock: In a magical garden, they sing as they follow the stream to its source, gliding over the water.
Sarah Roberts: Is it a love song?
Miriam Blaylock: I told you, it was sung by two women.
Sarah Roberts: It sounds like a love song.
Miriam Blaylock: So I guess that’s it.
Sarah Roberts: Are you making a pass at me, Mrs. Blaylock?

Miriam Blaylock: Miriam.
Sarah Roberts: Miriam.
Miriam Blaylock: Not that I know of, Sarah.
[Sarah smiles, shakes her head and spills wine on the top]

THE HUNGER is very worthwhile.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.