QUANTO MAIS QUENTE MELHOR: Comédia Perfeita Tem Marilyn Monroe, Jack Lemmon e Tony Curtis sob o Gênio de Billy Wilder

“Ninguém é perfeito”, a frase clássica de QUANTO MAIS QUENTE MELHOR é o resumo inspirado do maravilhoso roteiro de Billy Wilder, baseado em uma história de Robert Thoeren, contando como dois músicos que testemunham um assassinato vão se refugiar em uma orquestra só de mulheres que viaja pelos Estados Unidos.

Às vezes a gente vê filmes em que nada deu certo. Outra (raras) vezes, nos deparamos com filmes em que tudo deu certo. QUANTO MAIS QUENTE MELHOR é um perfeito exemplar deste segundo grupo. Certamente está entre as comédias mais inspiradas da história do cinema.

Primeiro pelo talento único do cineasta austro-húngaro Billy Wilder, ganhador de 6 Oscars e responsável por obras primas inquestionáveis como CREPÚSCULO DOS DEUSES, SE MEU APARTAMENTO FALASSE, SABRINA, TESTEMUNHA DE ACUSAÇÃO e INFERNO 17. Ele era um monstro sagrado do cinema com toda razão. Aqui, incursiona pela comédia com resultados tão espetaculares quanto os de seus filmes dramáticos, o que é muito raro.

O segundo fator de sucesso indiscutível do filme é seu elenco. Marilyn Monroe estava no auge de sua beleza, graça e sensualidade em 1959, quando o filme foi feito. Ela mostra porque se tornou um mito e até hoje é lembrada como uma deusa do cinema. Divertida, alegre, musical, sensual ao extremo, misturando pureza e malícia nas doses exatas, sua Sugar Cane é um personagem inesquecível. Toni Curtis e Jack Lemmon, dois atores top do star system da época têm papéis maravilhosos em suas carreiras, mas aqui chegaram à perfeição cômica, criando a dupla Joe/Josephine e Jerry/Daphne. E o que dizer do milionário Osgood Field III, imortal criação do ator Joe E. Brown? Simplesmente perfeito. E ainda tinha George Raft, Pat O’Brien, Nehemiah Persoff e Harry Wilson.

Quando do lançamento do DVD do filme, a Revista EW escreveu: “Ninguém é perfeito, mas a farsa de travesti de Billy Wilder chega muito perto. As duas melhores horas de Monroe e Lemmon e Curtis fazendo uma imitação perfeita de Cary Grant.”

Vi QUANTO MAIS QUENTE MELHOR mais de vinte vezes na vida. Cada vez acho um filme melhor.

“Nobody is perfect”, the classic phrase of SOME LIKE IT HOT is the inspired summary of Billy Wilder‘s wonderful script, based on a story by Robert Thoeren, telling how two male musicians who witness a murder will take refuge in an all-female orchestra who travels across the United States.

Sometimes we see films where nothing has gone right. Another (rare) time, we come across films in which everything went well. SOME LIKE IT HOT is a perfect example of this second group. It is certainly among the most inspired comedies in the history of cinema.

First for the unique talent of the Austro-Hungarian filmmaker Billy Wilder, winner of 6 Oscars and responsible for unquestionable masterpieces such as SUNSET BOULEVARD, THE APARTMENT, SABRINA, WITNESS FOR THE PROSECUTION and STALAG 17. He was a sacred cinema monster with all reason. Here, he makes his way through comedy with results as spectacular as those of his dramatic films, which is very rare.

The second indisputable success factor of the film is its cast. Marilyn Monroe was at the height of her beauty, grace and sensuality in 1959, when the film was made. It shows why she became a myth and is still remembered as a goddess of cinema. Fun, cheerful, musical, sensual to the extreme, mixing purity and malice in the exact doses, her Sugar Cane is an unforgettable character. Toni Curtis and Jack Lemmon, two top actors from the star system have wonderful roles in their careers, but here they came to comic perfection, creating the duo Joe / Josephine and Jerry / Daphne. And what about millionaire Osgood Field III, the immortal creation of actor Joe E. Brown? Simply perfect. And then there was George Raft, Pat O’Brien, Nehemiah Persoff and Harry Wilson.

When the film’s DVD was released, EW Magazine wrote: “Nobody is perfect, but Billy Wilder’s transvestite hoax comes very close. Monroe and Lemmon in their two best hours and Curtis making a perfect Cary Grant imitation.”

I’ve seen SOME LIKE IT HOT more than twenty times in my life. Each time I think that it is a better film.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.