JUSTIÇA CORRUPTA: Thriller com James Woods e Robert Downey Jr. é Daqueles Filmes de Tribunal que Faz Você Levantar

Rever filmes é sempre um exercício interessante. Hoje peguei o DVD de JUSTIÇA CORRUPTA (TRUE BELIEVER) thriller que Joseph Reuben dirigiu em 1989, com James Woods e um jovem Robert Downey Jr.

Eu tinha uma boa memória do filme, que vi na época do lançamento. Nesta revisão, ele se revelou muito melhor ainda. A mãe de um jovem coreano preso por assassinato – e que sempre jurou inocência – procura um advogado criminalista ex-hippie, que deixou suas causas libertárias para ganhar a vida como advogado de traficantes de drogas. Exatamente na época que a mãe do preso chega ao escritório tinha iniciado seu estágio um jovem advogado formado em Harvard atraído pelo passado idealista de seu Chefe. Ele convence o criminalista a aceitar a causa e os dois mergulham em um processo com implicações políticas insuspeitadas.

James Woods sempre foi um ótimo ator. Teve duas indicações ao Oscar pelos excelentes trabalhos em SALVADOR e FANTASMAS DO MISSISSIPI. Acho que o advogado Eddie Dodd é seu melhor trabalho. Idealista frustrado, anarquista, sonhador, se corrompeu para defender traficantes por dinheiro, mas tem aqui a oportunidade de voltar às suas crenças e fazer a defesa de um inocente.

Robert Downey Jr., na época com 24 anos já mostrava o grande ator que viria a se tornar, fazendo um advogado que alia conhecimento técnico com paixão pela advocacia. Com Dodd, o jovem Roger Baron vai fazer uma dupla perfeita em busca da Justiça.

No elenco do filme ainda tem os ótimos Margaret Colin (a investigadora Kitty), Kurtwood Smith e Yuji Okumoto.

JUSTIÇA CORRUPTA é daqueles filmes de tribunal que a gente termina assistindo em pé, vibrando pela defesa de um inocente feita com paixão. Com diz Dodd, em determinado trecho do julgamento, 7% de condenações injustas significa que em cada cem presos, há sete homens inocentes. Na vida, a advocacia ensina que sempre vale a pena lutar.

Vale muito a pena ver JUSTIÇA CORRUPTA.

Reviewing films is always an interesting exercise. Today I took the DVD of TRUE BELIEVER thriller that Joseph Reuben directed in 1989, with James Woods and a young Robert Downey Jr.

I had a good memory of the film, which I saw at the time of the release. In this review, it turned out to be much better. The mother of a young Korean man arrested for murder – and who has always sworn innocence – is looking for a former hippie criminal lawyer, who left his libertarian causes to make a living as a lawyer for drug dealers. Just at the time the prisoner’s mother arrived at the office, a young Harvard-trained lawyer had begun his internship, attracted by his Chief’s idealistic past. He convinces the criminalist to accept the case and the two plunge into a process with unsuspected political implications.

James Woods has always been a great actor. He received two Oscar nominations for his excellent work in SALVADOR and GHOSTS OF MISSISSIPI. I think attorney Eddie Dodd is his best job. Frustrated idealist, anarchist, dreamer, he corrupted himself to defend traffickers for money, but here he has the opportunity to return to his beliefs and defend an innocent.

Robert Downey Jr., at the time with 24 years old, already showed the great actor that he would become, making a lawyer that combines technical knowledge with passion for law. With Dodd, young Roger Baron will make a perfect pair in search of justice.

In the film’s cast there are still the great Margaret Colin (the investigator Kitty), Kurtwood Smith and Yuji Okumoto.

TRUE BELIEVER is one of those court films that we end up watching standing, vibrating for the defense of an innocent made with passion. As Dodd says, at a certain point in the trial, 7% of unfair convictions means that out of every hundred prisoners, there are seven innocent men.

It is very worthwhile to see TRUE BELIEVER.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.