A NETFLIX é melhor em séries do que em filmes de longa metragem. Mas seu catálogo volta e meia resgata algum filme daqueles que sempre é onteressante ver ou rever. Deparei neste final de semana com MATCH POINT, filme que inaugurou a trilogia londrina de Woody Allen, em 2005.

Trata-se de um dos melhores filmes de toda carreira do genial Woody Allen. Em minha opinião, junto com ANNIE HALL, MANHATTAN e CRIMES E PECADOS, ocupa a primeira prateleira de sua carreira com 55 filmes dirigidos. Curiosamente, acho que entre os melhores filmes de Woody allen estão dois que ele não dirigiu: TESTA DE FERRO POR ACASO, de Martin Ritt e SONHOS DE UM SEDUTOR, de Herbert Ross.

Aqui em MATCH POINT, ele conta a história de um jovem ex-tenista que vê a oportunidade de subir na vida se aproximando de uma riquíssima família inglesa. Ele inicia como professor de tênis do herdeiro da família e termina casado com a filha e executivo da principal empresa do patriarca.

O problema é que se apaixona e tem um tórrido caso de amor com uma atriz americana que é noiva de seu cunhado.

Scarlett Johansson (no auge de sua beleza e sensualidade), Emily Mortimer (ótima atriz inglesa), Jonathan Rys Meyers (VIKINGS e THE TUDORS), Brian Cox e Matthew Goode compõem o elenco sempre de alto nível sob a batuta de Woody Allen.

Uma história de crime e paixão, MATCH POINT tem tudo: amor, sexo, traição, ambição, riqueza, luxo, crime, inveja e ópera. Mestre Allen dosa tudo na medida exata para fazer um filmaço.

MATCH POINT é daqueles filmes que a gente perde a conta de quantas vezes assiste. E mais impressionante é que a cada vez ele fica melhor. Coisa de gênio.

NETFLIX is better in series than in feature films. But his catalog now and again rescues some film from those that is always interesting to watch or review. I came across this weekend with MATCH POINT, a film that opened Woody Allen’s London trilogy in 2005.

This is one of the best films of the entire career of the genius Woody Allen. In my opinion, along with ANNIE HALL, MANHATTAN and CRIMES AND MISDEMEANORS, occupies the first shelf of his career with 55 directed films. Interestingly enough, I think that among Woody allen’s best films are two that he didn’t direct: Martin Ritt’s THE FRONT and Herbert Ross’s PLAY IT AGAIN, SAM.

Here in MATCH POINT, he tells the story of a young ex-tennis player who sees the opportunity to rise in life approaching a very wealthy English family. He starts as the heir’s tennis teacher and ends up married to the daughter and chief executive of the patriarch’s company.

The problem is that he falls in love and have a torrid love affair with an American actress who is engaged to his brother-in-law.

Scarlett Johansson (at the pinacle of her beauty and sensuality), Emily Mortimer (great English actress), Jonathan Rys Meyers (VIKINGS and THE TUDORS), Brian Cox and Matthew Goode make up the ever-upstanding cast under Woody’s baton. Allen.

A story of crime and passion, MATCH POINT has it all: love, sex, betrayal, ambition, wealth, luxury, crime, envy and opera. Master Allen doses everything exactly to make a great movie.

MATCH POINT is one of those movies that we lose count of how many times we watch. And the most impressive is that each time it gets better. A Genius thing.